Uncategorized

Os Noaítas e o uso da kipá

Matéria reformada (Junho 2018).

Essa matéria foi originalmente publicada em 23/11/2015.

 

 

Os Noaítas (Bnei Noach/Filhos de Noé) e o uso da kipá

 

Perguntas E Respostas

 

Pergunta:

Pode um homem Noaíta (Ben Noach/Filho de Noé) usar kipá (a kipá Bnei Noach) na rua, no trabalho, … enfim, fora de casa e fora da sinagoga?

 

Resposta:

O Curso das Leis Noaíticas da Yeshivá Pirchei Shoshanim exorta os Bnei Nôach (em geral, i.e., os homens e as mulheres):

“Esforce-se em ser [sensato e] determinado ao pôr em prática sua identidade espiritual. Não passe [aos outros] mensagens confusas [por meio de seu comportamento] porque isso reflete desconhecimento, dúvidas pessoais ou rebeldia, que mal [os] guiarão.”

E declara:

“Assim, não está permitido [aos Bnei Noach (homens)]:

Usar kipá fora da sinagoga[*] (pois que em um contexto social onde a kipá já é logo associada à identidade judaica, a mensagem que isso transmite é fortemente confusa).”

 

E mesmo dentro da sinagoga “não é uma boa idéia que Bnei Noach (homens Noaítas) escolham uma Kipá idêntica a usada pelos judeus, pois outras pessoas podem erroneamente confundir um não-judeu com um judeu. Isto pode levar a confusões com relação à conduta muito mais rígida que a Torá requer dos judeus. Uma maneira de fazer uma Kipá diferente é decorá-la com as palavras “Bnei Noach”, ou algo similar.” – Rav Yitschak Ginsburgh (Cabalá e Meditação para as Nações)

 

Você, noaíta (Ben Noach=Filho de Noé/Bat Noach=Filha de Noé), sim, cada um de vocês (Bnei Noach=Filhos de Noé/Benót Noach=Filhas de Noé) tem de ter o extremo cuidado de interiorizar as seguintes palavras do Rav Tzvi Freeman, do Chabad.org. (e, obviamente, suspeitar daqueles não-judeus e judeus (mesmo rabinos) que falam e agem em contrário).
Ele disse:

“O caminho do Ben Noach está integralmente ligado ao povo judeu, como afirma claramente o Rambam [(Rav Maimônides). Porém, é importantíssimo ressaltar que, apesar disso (apesar dessa ligação),] nós (judeus) não queremos criar uma nova religião. E tampouco queremos que Ben Noach esteja imitando as práticas que são específicas para o povo judeu.” Em outras palavras, nós, judeus, não queremos fazer dos Bnei Noach uma religião. E tampouco queremos que eles próprios se transformem em um movimento judaizado e judaizante.

 

Traduzido por Noahidebr.

 

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

 

Kipá Bnei Noach

https://noahidebr.com/2015/11/23/kipa-bnei-noach/

Anúncios
Padrão
Uncategorized

Mandamentos para os judeus e mandamentos para os Bnei Noach

Mandamentos para os judeus e mandamentos para os Bnei Noach

 

 

Você sabia que existem Mandamentos exclusivamente JUDAICOS, ou seja, que são apenas para os judeus (ou, em outras palavras, que são proibidos para os Bnei Noach)?

Você sabia que as Leis de Noé não são somente Sete? Você sabia que muitos dos 613 mandamentos da Torá são subdivisões ou ramificações das Sete Leis?

Você sabia que existe um limite de até onde um noaíta pode ir no cumprimento de mitsvót? E que esse limite foi estabelecido pelo PRÓPRIO D’us, Hashém, e não por algum humano?

 

 

“Prestem muita atenção:

Além de nossas 7 leis e suas derivações (dezenas)[, nós, Bnei Noach,] podemos adotar qualquer mandamento “judaico” em todos os seus detalhes, desde que seja lógico ou proporcione um benefício tangível para a sociedade, para si mesmo ou para o mundo como um todo.”

Extraído do Curso das Leis Noaíticas da Yeshivá Pirchei Shoshanim.

 

O Rav Ariel Groisman explica o significado de: “podemos adotar qualquer mandamento “judaico”” e destemidamente exorta-nos:

“Não (podemos adotar) aqueles mandamentos que são exclusivos e identificadores do povo judeu, por exemplo: FESTIVIDADES, SHABÁT, TALÍT, TEFILÍN, MICVÊ, etc.
Se vão imitar os judeus, façam-no com respeito à solidariedade, caridade e justiça social que eles praticam, e com respeito à perseverança no estudo da Torá.
Se deseja imitar o povo judeu, faça-o com respeito a estudar e ensinar os valores da Torá, e os atos de justiça social e beneficência. Eles fazem isso. Imite-os.”

 

O Rav Ariel Groisman é Rabino do Centro de Estudos do Gran Templo Paso de Buenos Aires, Argentina, e co-fundador e co-diretor do centro noajidas.org, um Centro de Estudos virtual e físico dos Sete Princípios Universais.

http://www.noajidas.org

 

Veja também

 

https://noahidebr.com/2018/04/02/o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

 

https://noahidebr.com/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

https://noahidebr.com/2016/08/01/maimonides-e-os-bnei-noach/

 

https://noahidebr.com/2017/12/02/noaitas-e-os-613-mandamentos-judaicos-divinos-ou-a-criacao-de-ritos/

 

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

 

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

 

Padrão
Noaítica ou Noaítico

Leis Noaíticas

Leis Noaíticas

 

As Leis Noaíticas* ou As Leis Noaicas (As Sete Leis Universais)

 

Por Noahidebr

 

* Entre os Bnei Nôach brasileiros tornou-se comum o uso dos termos “noético” e “leis ‘noéticas’ ” como se estas palavras se referissem à Noé (o personagem bíblico) ou aos descendentes de Noé ou às Mitsvót (Leis Divinas) Universais.

Acontece que esses Bnei Nôach (e também até mesmo rabinos) usam essas palavras sem saberem que elas não existem (no sentido em que usam-na). Na verdade estas palavras existem, mas elas não tem absolutamente nada a ver com Noé (Nôach) ou com as mitsvót universais.

Vejamos o que significam as palavras “noética” e “noético”.

Dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Editora Nova Fronteira, 1975:

“Noético. Do GREGO noetikós, ‘inteligente’. Adjetivo. Filosofia. 1. Relativo à NOESE. 2. Relativo ao pensamento.”

Veja que “noético” é uma palavra que vem do grego e não do hebraico, e que é relativa à noese e nao à Noé (Nôach). O que é NOESE?

“Noese. Do GREGO noésis, ‘pensamento’, ‘inteligência’. Substantivo feminino. Filosofia. Na fenomenologia, aspecto subjetivo da vivência, constituído por todos os atos que tendem a apreender o objeto: o pensamento, a percepção, a imaginação, etc.”

Portanto, NOÉTICO vem de NOESE, e não de Noé, o personagem bíblico.

E as Leis (Mitsvót) dadas por D’us para Noé (Nôach) e para toda a sua descendência NÃO são e NÃO se chamam “leis noéticas”, pois…

“Noética. Feminino substantivado de noético. Substantivo feminino. Filosofia. Estudo das leis gerais do pensamento.”

Portanto, como mostra o Dicionário, “noético” e “noética” (até existem mas) NÃO têm absolutamente nada a ver com o personagem bíblico Noé e sim tem a ver é com a NOESE (e com a língua grega e com a filosofia).

 

Alguma vez você já olhou no dicionário o que é ou o que significa noético?
As palavras “noético” e “noética” no dicionário.

 

Para referir-se às Leis Divinas Universais ou Leis de Noé (Nôach) deve-se dizer LEIS NOAÍTICAS (dos noaítas/dos Bnei Nôach/dos Filhos de Noé) ou LEIS NOAICAS (de Noé). Portanto, as palavras Noaítico e Noaico, sim, tem a ver com Noé, o personagem bíblico do evento do dilúvio.

Como dizemos “As Leis Mosaicas” ou “As Leis Judaicas” ou “As Leis Toraicas”, então dizemos AS LEIS NOAICAS.

Ou então como dizemos “As Leis Mosaíticas” ou “As Leis Judaíticas” ou “As Leis Toraíticas”, então dizemos AS LEIS NOAÍTICAS.

Simples assim.

Em inglês: “noahitic” (“noaitic”) e “noahic” (“noaic”).

Por exemplo, o livro de Halachá* em inglês, “Mishneh Torah, Foreign Worship and Customs of the Nations”, do Rambam (Rav Maimônides), no capítulo 10, diz:

“… he must not pass through Eretz Yisrael before he obligates himself to live up to the seven Noaitic commandments,” e ainda, “if an idolater obligated himself to observe the Seven Noaitic commandments he is a sojourning alien.”

 

Noaítico em inglês no Mishneh Torah do Rambam

 

Como está muitíssimo evidente no texto, veja as duas ocasiões em que ocorre a palavra noaitic, exatamente tratando dos “Seven Noaitic commandments” ou em português – CORRETO – as “Sete Leis Noaíticas” (alternativamente, os Sete Mandamentos Noaíticos).

 

* Halachá: a parte do Talmúd que constitui lei e que os judeus são obrigados a cumprir.

 

Os judeus e Bnei Nôach brasileiros que usam EQUIVOCADAMENTE a palavra “noético” deveriam pensar o que será que significa “Ciência Noética” e “cientistas noéticos”, por exemplo. Será que “Ciência Noética” significa a ciência que estuda o personagem bíblico Noé ou que estuda os descendentes dele ou que estuda as mitsvót universais? Lógico que não. De modo algum. Será que “cientistas noéticos” significa os cientistas que seguem as Leis de Noé? Lógico que não. De modo algum. E o que será que é mito noético? Será que trata-se de considerar que o personagem bíblico Noé é um mito? Queridíssimos leitores, por favor, JAMAIS pensem ou digam um dislate desse. Como vimos acima, noético e noética referem-se à noese.
E como também vimos acima, o que tem a ver com o personagem bíblico Noé, o que refere-se à Noé, o que é relativo à Noé e aos seus descendentes e às mitsvót universais são as palavras NOAÍTICO e NOAÍTICA ou noaico e noaica.

Em inglês, assim como no português, obviamente existe a palavra “noético”, Noetic, e Noetic, obviamente, como já vimos, não tem nada a ver com Noé, não se refere à Noé, não é derivada de Noé. Noetic vem de noēsis. No entanto, Noaitic vem sim de Noah (Noé, Nôach).

Até existe um site chamado noetic.org .  Você acha que esse site trata ou fala de Noé e seus descendentes e das Leis Divinas Universais – das Mitsvót Universais? Lógico que não. De modo algum. Simplesmente porque noetic não tem relação alguma com Noé.

Esperamos que a partir de agora este assunto esteja bem clarificado para todos.

 

O que são as Leis Noaíticas?

São as mitsvót (leis ou mandamentos) que O PRÓPRIO D’us ordenou à Adam e Chavá (Adão e Eva) e também à Nôach (Noé) e sua família ao sairem da arca. São Leis Divinas obrigatórias para toda a humanidade em todos os tempos.

(Usa-se como sinônimos de Leis Noaíticas os termos Pacto Noaítico e Código Noaítico.)

A questão é que D’us não deu religiões para a humanidade. D’us deu sim uma “religião” mas não para todos os povos e sim para um povo específico, a religião de um povo, o povo de uma religião, o judaísmo para o povo judeu. D’us não deu religião para os não-judeus. O que D’us deu para os não-judeus foi um Código de Conduta Universal. Este é o Código Noaítico. E este Código de Conduta Universal, o Código Noaítico, são exatamente as Leis ou Mandamentos – Mitsvót – que O PRÓPRIO CRIADOR deu para toda a SUA Criação (todos os humanos).

Daí que:

Bnei Nôach não é religião;

Bnei Nôach não é “judaísmo” para não-judeus;

Bnei Nôach não é judeu.

É verdade que a Fé Judaica e a Fé Noaítica são uma e a mesma, porém, são dois Caminhos Espirituais (práticas/vivências) distintos.

 

Quais são as Leis Noaíticas?

As Leis Noaíticas são:

1. Creia em D’us.
Não adore ídolos.

A essência das Sete Leis Universais é o reconhecimento do ENTE SUPERIOR que criou o Universo. Substituir o culto de D’us pelo culto de entidades finitas, seja a de si próprio ou de outros seres [humanos, espíritos, anjos, animais] solapa qualquer padrão de comportamento ético e moral. A aceitação de D’us e das instruções de D’us é mais do que um simples ato de fé. Implica ser uma pessoa melhor, centrada em D’us ao invés de em si mesmo e, assim, gera um ambiente moral.

 

2. Respeite O CRIADOR.
Não blasfeme.

Este princípio também está envolto em implicações práticas importantes. Tudo na Criação reflete a “mão” do CRIADOR. Degradar ou diminuir as criaturas de D’us, portanto, significa blasfemar e degradar O PRÓPRIO D’us. Assim, devemos respeitar todos os humanos porque todos [os humanos, sem exceção,] são criados por D’us na Divina imagem e semelhança. Devemos abster-nos de calúnias e boatos e de insultar ou prejudicar nossos semelhantes.

 

3. Respeite a Vida Humana.
Não assassine.

O mandamento proibindo o assassinato está explicitamente declarada a Noé por D’us: “Todo aquele que derrama o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado, pois ELE [D’us] fez o homem à imagem de D’us” (Gênesis 9:6). Estando expressa também é uma afirmação da qualidade transcendental do ser humano e da santidade da vida humana.

 

4. Respeite a Família.
Não cometa atos sexuais imorais.

No contexto histórico, qualquer sociedade que encorajou ou perdoou a imoralidade [homossexualidade, incesto, bestialidade, adultério, estupro] teve vida breve. Mais notavelmente a Grécia antiga, que dominava o mundo e depois foi sumariamente destruída no seu auge. Não é de admirar que todo o mundo esteja tão escandalizado com a atitude permissiva da sociedade e a proliferação da imoralidade no mundo.

 

5. Respeite os Direitos e a Propriedade dos Outros.
Não roube.

Esta proibição casa diretamente com o mandamento [judaico] “Não furtarás”* nos [chamados] Dez Mandamentos. O ideal é que, desde que o nosso sustento provém da “mão” de D’us, a pessoa procure ganhá-lo honestamente e não através de recursos falsos. Ao se abster do furto, a humanidade afirma a sua fé na bondade da “mão” de D’us.

 

* Apesar da opinião de que este mandamento se refira especificamente ao furto de vida – sequestro -, porque há o mandamento em Levítico 19:11, que então se refere ao furto de bens.

 

6. Respeite as Criaturas de D’us.
Não seja cruel para com os animais.

Este mandamento começa com a advertência: “Não coma o membro de um animal vivo”. Isto leva ao maior respeito por todas as coisas vivas. O potencial espiritual mais elevado do homem lhe permite o domínio e o coloca no papel de guardião de toda a Criação. Também o obriga a utilizar toda a Criação de maneira respeitosa e responsável.

 

7. Respeite a Lei.
Mantenha a justiça.

Uma sociedade que subverte a Justiça ao falhar em instituir um sistema que assegure a retidão e a moralidade é um instrumento para expulsar a bênção de D’us para fora do mundo. Uma comunidade ou cidade onde não existem cortes ou leis [imparciais e virtuosas] será finalmente destruída pelos seus próprios habitantes, conforme foi demonstrado historicamente repetidas vezes.

 

(As Sete Leis Universais no Código de Maimônides – o Rav Moshé ben Maimon -, de As Leis dos Reis. No Brasil, publicado pela Editora Maayanot.)

 

E não se esqueçam: as Leis dos Descendentes de Noé não são – nunca foram e nunca serão – leis “noéticas” e sim LEIS NOAÍTICAS. O Movimento dos Bnei Nôach não é movimento “noético” e sim O Movimento Noaítico. E os Bnei Nôach não são “noéticos” e sim NOAÍTAS (como há israelitas, aaronitas, levitas, por exemplo).

Do mesmo modo que a palavra em inglês Korahites (de Korah) torna-se Coraítas em português (de Coré), a palavra em inglês Noahites (de Noah) torna-se Noaítas (de Noé). 

 

© Noahidebr 2015-2018

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Noaítas e os 613 Mandamentos Judaicos Divinos (ou a criação de ritos)

Noaítas e os 613 Mandamentos Judaicos Divinos

Noaítas e a criação de ritos religiosos

 

B”H

 

Perguntas e Respostas

 

Por Noahidebr

 

O Rav Maimônides disse que os noaítas (Bnei Nôach/Filhos de Noé) podem cumprir se quiserem ALGUNS dos 613 mandamentos que Hashém deu para os judeus ou que os noaítas podem cumprir TODOS os 613 mandamentos?

 

O Rav Maimônides NUNCA disse que os noaítas podem cumprir todas as 613 leis da Torá (até porque se os noaítas cumprissem todas as 613 leis da Torá, eles já não seriam mais noaítas, e sim, judeus).

O Rav Maimônides deixou claro que a observância – o cumprimento – das 613 mitsvót da Torá cabe unicamente “a Israel” (o povo judeu), incluídos aí, não os noaítas, mas os convertidos (“e a todos aqueles que desejam SE CONVERTER dentre as outras nações”).

O Rav Maimônides considera que até mesmo somente estudar a explicação do cumprimento de todas as 613 mitsvót da Torá (Halachá) por parte dos noaítas já tornam-nos ‘passíveis de punição’ porque “eles devem se dedicar somente ao estudo de [suas] Sete [Categorias de] Leis”, e sendo assim, que dirá de cumprirem todas as 613 mitsvót.

O Rav Maimônides deixou claro que se um noaíta desejar (por conta própria) “cumprir um dos [613] mandamentos da Torá (“UM DOS 613″, e não TODOS OS 613) a fim de receber uma recompensa [Divina],” ele pode. Mas o Rav Maimônides deixou mais claro ainda que, por outro lado, se os noaítas desejarem “aceitar todos os [613] mandamentos” que eles ‘se tornem convertidos’.

 

Veja

https://noahidebr.com/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

e também

https://noahidebr.com/2018/04/02/o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

 

e ainda

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

 

Leia as próprias palavras do Rav Maimônides em:

https://noahidebr.com/2016/08/01/maimonides-e-os-noahidas-bnei-noach/  .

 

E como reitera o Jews for Judaism.org (Judeus para o Judaísmo):

“Na verdade, estas [denominadas “Sete Leis de Noé”] são 7 categorias e incluem [muitos] outros detalhes.”

Explica o Rav Aaron Parry no Jews for Judaism.org:

“À primeira vista, pode parecer que a diferença entre a observância judaica (613 mandamentos para judeus) e não-judaica (sete para não-judeus) é enorme. Mas se olharmos um pouco mais de perto, veremos que não é tão grande quanto parece.

Estes são sete princípios básicos que têm – todos eles – muitas implicações. Ao observar adequadamente os sete mandamentos, um não-judeu realmente vai incorporar 66 mitsvót da Torá[*] que especifica alguns desses itens com maior detalhe. Os sete princípios básicos envolvem considerações muito maiores; por exemplo, o sétimo (princípio) implica que não se deve praticar a crueldade com os animais. Além disso, no presente momento, quando já não temos um Templo Sagrado em Jerusalém ou um Grande Sanhedrin (Supremo Tribunal Judaico de 71 sábios idosos), muitas das 613 mitsvót não se aplicam. Como resultado, um judeu de hoje pode cumprir possíveis 271 mitsvót. Então, há aproximadamente uma proporção de quatro para um na quantidade de mandamentos que um judeu de hoje deve cumprir, em comparação com um não-judeu. Além disso, muitos dos mandamentos adicionais dos judeus têm a ver com Shabát ou feriados judaicos[**] ou com mandamentos como [tsitsít (talít), tefilín, mezuzá, etc.], que não são exigidos dos não-judeus.[***]”

 

(© Copyright Jews For Judaism 2017)

 

https://noahidebr.com/2016/02/01/66-ramificacoes-dos-7-mandamentos-noaicos/

 

** https://noahidebr.com/2018/03/30/pessach-e-os-bnei-noach/

 

*** https://noahidebr.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-os-noaitas-nao-devem-observar/

e

https://noahidebr.com/2017/11/23/os-noaitas-e-o-talit-tsitsit/

 

 

 

Considere também (conforme está no link acima) a exortação do Rav Dr. Jacob Immanuel Schochet, que disse:

“Existem linhas claras de distinção entre judeus e gentios e estas devem permanecer exatamente assim”, significando isso que um noaíta jamais deve parecer um judeu de forma alguma por apropriar-se dos mandamentos característicos de identidade judaica, levando assim judeus e não-judeus à confusão de pensarem que ele é judeu, e desrespeitando os limites estabelecidos pelo PRÓPRIO CRIADOR.

 

Agora, o que temos observado é que, na verdade, ALGUNS Bnei Nôach (noaítas) têm tido a necessidade não de terem mais de 7 mandamentos para cumprir, e sim de terem uma liturgia noaítica e de terem um modo de demonstrarem (para si mesmos e para os outros) a sua religiosidade (ritos internos e externos) – em outras palavras, de terem uma religião. Este é o verdadeiro ponto. E isto é o resultado de a grande maioria dos noaítas virem das religiões – principalmente, das igrejas cristãs – (que, exatamente por serem religiões, possuem então liturgias e seus ritos), e de eles aprenderem sobre Bnei Nôach com o judaísmo (que tem sua própria liturgia, já que se trata, também, da religião de um povo), e de o noaísmo NÃO ser uma religião – tampouco uma religião judaizada (como uma espécie de judaísmo para não-judeus) – mas um código de conduta. O Rav Maimônides então PROIBE exatamente os Bnei Nôach de ‘criarem ritos religiosos (ou copiarem os ritos judaicos).’*

* Certamente, isto nada tem a ver com o fato de que Bnei Nôach podem – e devem – louvar, abençoar e orar a Hashém.

 

Por Noahidebr
© Noahidebr 2015-2018

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Os noaítas e o talit (tsitsit)

Os noaítas e o talit (tsitsit)

 

B”H

 

Perguntas e Respostas

 

Por Noahidebr

 

O livro “The Path of the Righteous Gentile” (O caminho do Gentio Justo) enumera seis mandamentos divinos judaicos proibidos para o noaíta (veja em

https://noahidebr.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-os-noaitas-nao-devem-observar/   ). Não está citado nesta lista o uso de talit por um noaíta. Assim, minhas perguntas são:

 

O noaíta pode usar talit?
Existe talit noaítico (talit para não-judeus, mais especificamente para noaítas (Filhos de Noé/Bnei Nôach))?
O noaíta pode usar algo semelhante a um talit?

 

Primeiro, vejamos o que é um talit.
Leia a explicação em:

 

http://pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/602882/jewish/Talit-e-Tsitsit.htm

 

Como pode-se inferir da leitura deste link, o talit (xale de orações) – talit gadol (grande) e talit catán (pequeno) – com o seu tsitsít (franjas) são observâncias estritamente judaicas. Isso fica mais evidente ainda nas próprias berachót (bênçãos) recitadas pelos judeus:

(ao vestir o talit catán)
“Bendito és…, que… nos ordenou (aos judeus) sobre a mitsvá (lei) de tsitsít”;

(e ao envolver-se no talit gadol)
“Bendito és…, que… nos ordenou (aos judeus) envolver-se em tsitsít.”

 

Portanto, não existe talít noaítico (não existe talít e tsitsít próprios para noaítas). O talit gadol e o talit catán com os seus tsitsiot são materiais exclusivamente judaicos. E daí também os noaítas não devem de maneira alguma vesti-los, e nem se vestirem de algo parecido.

 

O Rav Jacob Immanuel Schochet diz:

“Os homens noaítas (ou mulheres) não devem comprar seu próprio talit gadol para usar durante suas orações diárias da manhã, ou um talit catán para usar continuamente (quer as franjas – tsitsít – estejam à mostra ou não). O talít é um símbolo exclusivamente judaico. Assim, um noaíta que usa talít [pode acabar levando judeus e não-judeus à confusão, fazendo-os pensar que ele é judeu.]

Os noaítas não devem adquirir e/ou usar [em particular ou publicamente] talít ou tefilín, ou fazer as outras coisas citadas no livro “The Path of the Righteous Gentile”. Existem linhas claras de distinção entre judeus e gentios e estas devem permanecer exatamente assim. [Veja

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/     ]

E com todo o devido respeito, este interesse em uma roupa de oração para os noaítas [mesmo que fosse apenas] parecida com um talít com tsitsít (franjas) – quanto mais o próprio talít – pode ser o início de um caminho perigoso para o movimento noaítico. Segue as mesmas linhas da fundação de uma nova forma de religião para os noaítas. É também uma distorção da idéia e do princípio do talít (judaico).”

 

Por Noahidebr
© Noahidebr 2015-2018

https://noahidebr.com/copyright/

 

© Rav Jacob Immanuel Schochet
© 2002-2017 Ask Noah.org

Padrão
Uncategorized

Não há necessidade de um não-judeu converter-se ao Judaísmo para desfrutar um relacionamento pessoal com D’us

Por pt.chabad.org

 

Pergunta:
Não sou judeu. Compartilho da crença judaica em D’us. Preciso me converter? Posso, se assim desejá-lo?

 

Resposta:
Você precisa ser judeu para ir para o Mundo Por Vir?
Não.

A crença em D’us, embora seja uma contribuição judaica, de forma alguma é monopólio dos judeus. Toda a humanidade deve crer em D’us e, na verdade, o Judaísmo encoraja esta crença. Não existe “crença judaica” em D’us – há um único D’us no qual os judeus crêem e ensinam todos a acreditar.

Além disso, D’us deu a Torá, com suas 613 mitsvót (mandamentos), ao povo judeu. No entanto, ELE também deu aos povos não-judeus um código moral paralelo que complementa a Torá: as Sete Leis de Nôach (Shéva Mitsvót Nôach). ELE espera que todos seres humanos e sociedades vivam segundo este código.

As sete categorias gerais do Código são: 1) Não matar. 2) Não roubar. 3) Não cometer adultério ou incesto. 4) Não blasfemar. 5) Não comer o membro de um animal enquanto este está vivo. 6) Não adorar ídolos e 7) Estabelecer um sistema de justiça.

Os Sábios nos dizem que um não-judeu que cumpre estas leis tem as mesmas recompensas no Mundo Vindouro que um judeu que cumpre as 613 mitsvot. Portanto, não há necessidade de um não-judeu converter-se ao Judaísmo para desfrutar um relacionamento pessoal com D’us.

Se, no entanto, um não-judeu deseja converter-se ao Judaísmo, ele ou ela pode fazê-lo passando pelos mesmos processos que o povo judeu passou quando se tornou judeu, isto é: 1) Circuncisão (no caso de homens); 2) Imersão no micvê para a conversão; 3) Aceitar e cumprir as 613 mitsvot na sua totalidade. Tudo isso deve ser feito na presença de uma autêntica Corte Rabínica.

Porém independentemente da religião, estamos todos no “time de D’us”, e o “esporte” que estamos jogando é tornar este mundo um local melhor. No Judaísmo, não há ser humano que não tenha seu lugar, propósito ou importância.

Que cada um faça sua parte!

 

Por pt.chabad.org

 

© Noahidebr 2015-2018

Padrão
Uncategorized

Os Sete Mandamentos dos Filhos de Nôach (Noé)

Os Sete Mandamentos dos Filhos de Nôach* (Noé)

188971

 

* Na transliteração dos termos hebraicos o “sh” tem som de “CH” (exemplos: “Hashém”, “Shéva”, etc.), e, (na transliteração dos termos hebraicos) o “ch” tem som de “RR” (exemplos: “Nôach”, etc.).

 

Por Rav Eliezer Shemtov

(Chabad.org)

 

O judaísmo não é proselitista; não busca converter toda a humanidade em judeus, já que crê que cada ser humano tem sua missão especial Divinamente outorgada, sem a necessidade de se tornar judeu. Não obstante, o judaísmo contém sim uma proposta de vida para as nações que não são judias.

Segundo nossas tradições, existe um código de ética universal conhecido como os Sete Mandamentos dos Filhos de Noé (Shéva Mitsvót Hashém le’Bnei Nôach), que vem a ser o plano Divino para a humanidade. O gentio (não-judeu) que cumpre este código tem assegurado um lugar no mundo vindouro e é comparado a um Cohen Gadol (Sumo Sacerdote), aquele que entrava no Santo dos Santos no Yom Kipur.

Segundo relata o Talmud, ao primeiro homem, Adám, D’us deu seis leis a respeitar:

1. Não adorar ídolos;

2. Não blasfemar;

3. Não cometer pecados de natureza sexual;

4. Não roubar;

5. Não assassinar;

6. Estabelecer tribunais de justiça para implementar o cumprimento dessas leis.

A sétima lei, não comer de animais vivos, foi dada apenas a Nôach (Noé) depois do Dilúvio, quando foi permitido comer carne animal. Esta permissão veio com a condição de que se mate o animal antes de comer sua carne. Daí vem a expressão Sete Mandamentos (Leis) dos Filhos de Nôach (Noé), porque são as sete leis divinamente outorgadas aos descendentes de Nôach (Noé), ou seja, a toda a humanidade.

Cada um desses mandamentos nada mais são que títulos; cada um deles contêm muitos detalhes e leis específicas. Você pode ler mais em:

MANDAMENTOS DIVINOS PARA TODOS OS DESCENDENTES DE NOÉ

https://noahidebr.com/2015/11/25/mandamentos-divinos-para-todos-os-descendentes-de-noe/

 

Maimônides (Rab Moshê ben Maimón) afirma que no Monte Sinai nós judeus fomos encarregados com a responsabilidade nacional e pessoal de nos preocupar em promulgar este código entre as nações, cada um de acordo com as oportunidades que tem.

Código Divino

Maimônides também observa que é fundamental que o respeito por este sistema se baseie no fato de que são mandamentos de origem Divina entregues por intermédio de Moisés. Aquele que cumpre com essas leis porque são leis Divinas, merece ser considerado um piedoso (ou justo) e sábio e tem um lugar no mundo vindouro. Aquele que cumpre com essas leis por iniciativa própia, simplesmente porque sua lógica assim o indica, sem atribuir-lhes origem Divina, não é considerado piedoso e nem sábio entre as nações.

Ou seja, para alguém ser considerado piedoso e/ou sábio entre as nações, ele deve, antes de mais nada, reconhecer o fato de que D’us criou o mundo e deu a cada um de nós uma missão a cumprir.

Há quem questione esta afirmação e diga que o homem é capaz de ser correto e bom por conta própria, mais ainda, sem a intervenção de uma EXISTÊNCIA Suprema. Não é preciso ir muito longe na história para ver o que a sociedade alemã, uma civilização “sofisticada e correta”, foi capaz de fazer com milhões de seres humanos inocentes. Vê-se que os valores humanos baseados em critérios humanos não representam nenhuma garantia.

Enquanto há aqueles que perderam sua fé em D’us depois de ver tais barbáries, há aqueles que perderam sua fé no homem sem D’us…

Historicamente, não se viu um esforço para difundir este código. Por que, de repente, agora se fala deste assunto? A razão é muito simples: o judeu foi sempre perseguido sem direito de se expressar, especialmente em questões relacionadas à religião. Hoje em dia, visto que vivemos em sociedades democráticas onde a liberdade de expressão é permitida, temos a oportunidade, o dever e o privilégio de compartilhar com a sociedade este código ético.

Desde 1978, a cada ano, todo presidente dos E.U.A. assina, aprovado pelo senado e congresso, uma proclamação na qual proclama o dia do aniversário do Rebe de Lubavitch como dia Nacional da Educação. Em suas proclamações é destacada a contribuição do Rebe para a educação geral, ao promulgar a importância de uma educação baseada em valores éticos, especialmente como estão delineados no código bíblico das Sete Leis dos Filhos de Nôach (Noé).

Em 1995, o Rebe foi condecorado com a Medalha de Ouro entregue pelo Congresso dos E.U.A. em reconhecimento da sua contribuição para a educação geral.

Um Minuto de Silêncio

Em 1983, o Rebe falou sobre a preocupante realidade da delinquência juvenil e o que poderia ser feito a este respeito.

Ele apoiou a proposta do Minuto de Silêncio, segundo o qual cada dia de aulas – no sistema de educação pública – começa com um minuto de silêncio em que cada aluno deve refletir sobre o propósito da vida. Embora o Estado não possa intervir no conteúdo desse minuto de reflexão, ele pode e deve sim decidir que há que se dedicar tempo no começo do dia para pensar sobre o propósito da vida. A definição do conteúdo do mesmo seria tarefa dos pais, tutores ou guias espirituais de cada aluno.

Esta proposta também tem o benefício de oferecer aos pais a oportunidade de se envolverem na educação dos seus filhos e nas consequências positivas que isto traz.

Há muitos estados nos E.U.A. que implementaram esse Minuto de Silêncio no início de cada dia e viram uma queda significativa no índice da delinquência juvenil.

É uma proposta que não atenta contra a laicidade da educação; simplesmente oferece ferramentas para que esta educação produza alunos mais espiritualmente refinados e bem direcionados.

 

Por Rav Eliezer Shemtov

© Jabad (Chabad)

 

Traduzido do espanhol por Noahidebr

© Noahidebr 2015-2018

 

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão