Uncategorized

Nova página do site noahidebr.com

B”H

 

No mês de aniversário do site noahidebr.com, uma nova página, Graças a D’us.

 

Confira:

 

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

 

 

Anúncios
Padrão
Uncategorized

Pêssach e os Bnei Nôach

Pêssach e os Bnei Nôach

 

(Texto atualizado em junho de 2018)

 

Como os Bnei Nôach celebram Pêssach?

 

Os Bnei Nôach NÃO celebram Pêssach.

Os Bnei Nôach NÃO celebram Pêssach e os Bnei Nôach NÃO celebram NENHUMA festividade judaica, incluindo Shabát (Pêssach e Shabát celebram a mesma coisa: a saída do povo judeu do Egito, e, por isso mesmo, são mandamentos festivos exclusivamente judaicos*. O Pêssach é a celebração anual enquanto o Shabát é a celebração semanal.

 

* Para o Shabát, veja Vaicrá/Lev. 23:1-5, 44; Devarím/Deut. 5:15; Shemót/Êxo. 16:1, 4-5, 22-23, 25-30; 31:12-17.)

 

Por que os Bnei Nôach haveriam de celebrar Pêssach (ou qualquer outra festividade judaica) se não são judeus?

Bnei Nôach NÃO são judeus. Bnei Nôach são NÃO-judeus que reconheceram e aceitaram que O D’us de Israel é O MESMO D’us CRIADOR do universo e vivem de acordo com SUAS Mitsvót (Leis) Universais e acreditam apenas no Tanách (bíblia judaica) como A Palavra de D’us.

Portanto, é absolutamente impertinente para os Bnei Nôach (como para qualquer outro não-judeu) o Pêssach ou qualquer outra festividade judaica, bem como o Shabát.

Os Bnei Nôach descendem de Avrahám, Yitschák e Yaacóv? NÃO.
Os Bnei Nôach foram escravos no Egito? NÃO.
Os Bnei Nôach foram libertados da escravidão no Egito? NÃO.
Então, não faz sentido os Bnei Nôach quererem honrar Pêssach. (Como não faz sentido algum os Bnei Nôach quererem honrar Shabát ou qualquer outra festividade judaica.)

O PRÓPRIO D’us, Hashém, disse:
“E se algum prosélito (não-judeu) habitar contigo (Israel) e quiser fazer o Pêssach a Havayah, todo macho deverá ser circuncidado (convertido), e então se chegará para celebrá-lo, e será como o natural da terra (de Israel); e nenhum incircunciso (não-convertido) [participará] dele. A Lei (da Torá, como modo de vida do judeu,) será a mesma para o natural (descendente de Israel) e o prosélito (convertido) que peregrina entre vós. Assim fizeram todos os filhos de Israel, como ordenou Havayah a Moshé e a Aharón; e assim fizeram. E … Havayah tirou os filhos de Israel da terra do Egito. … E Moshé disse ao povo (de Israel): Recordai este dia que saístes do Egito, da casa dos escravos; … e guardarás este estatuto em seu prazo de ano em ano.”
Shemót/Êxodo 12:48-13:10 *

* Leia o texto bíblico na íntegra para o mandamento estritamente judaico de chamêts.

 

Portanto, um não-judeu até pode realmente sentir vontade – ter o desejo – de observar alguma data exclusivamente judaica ou algum rito exclusivamente judaico, mas é óbvio (ou pelo menos deveria ser óbvio) que para isto ele (o não-judeu) deve converter-se.

Foi exatamente isto o que o Rav Maimônides disse nas Leis dos Reis 10:9 e 10, que aquele noaíta que passar a ir além das suas Leis, absorvendo leis e ritos judaicos, já assumindo um modo de vida judaico, já se comportando como um judeu, que converta-se, e então poderá devidamente observar quaisquer mandamentos estritamente judaicos.

“Se um não-judeu observa Shabát ou cria práticas religiosas (por exemplo, copiando ritos judaicos) ou cria um dia de festa para si próprio (por exemplo, copiando a celebração das festividades judaicas, um judeu) deve … informá-lo de que é passível de (punição).
Em geral se adota o seguinte princípio nestes assuntos: Não se deve permitir dar origem a uma nova religião ou criar novos preceitos para si mesmos, baseados nas suas próprias decisões. Eles (os não-judeus) podem se tornar convertidos justos e aceitar todos os preceitos (estritamente judaicos, como honrar o Shabát, celebrar as festividades judaicas (Pêssach, …), etc.,) ou manter suas próprias leis sem acrescentar ou diminuir.”
Rav Maimônides, As Leis dos Reis 10:9, 10

É por isso que destemidamente o Rav Zvi Aviner (baseado nas palavras acima do Rav Maimônides) declara que “outro erro (cometido por certos rabinos e alguns judeus) é oferecer aos Bnei Nôach (não-judeus) os rituais judaicos que não tem sentido para eles”, e, que “é errado os não-judeus simplesmente copiarem os costumes (estritamente) judaicos adaptando-os como seus.” Os não-judeus que assim procedem “estão equivocados”.

E é por isso mesmo também que o Rav Michael Schulman, Diretor Executivo da Ask Noah International e do asknoah.org, site judaico afiliado do Chabad para orientações da vida dos Bnei Noach, declara que “os Bnei Nôach não devem observar os mandamentos das festividades bíblicas judaicas.”

E o que é que os Bnei Nôach podem fazer durante os dias de Pêssach?

O Rav Michael Schulman responde que “os Bnei Nôach podem ler e/ou discutir as passagens da Torá sobre o Êxodo do Egito e/ou sobre os mandamentos judaicos associados ao Pêssach.”

 

A Leitura Bíblica para os dias do Pêssach são:

 

● 31 Março, 2018*

Êxodo 12:21-51
e
Josué 3:5-7; Josué 5:2-6:1; Josué 6:27

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 11:33-47 e Salmos Capítulos 77-78

 

* A contagem do dia judaico começa ao pôr do sol de Sexta-feira, 30 Março.
__________

 

● 1° Abril, 2018

Levítico 22:26-23:44
e
Reis II 23:1-9; Reis II 23:21-25

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 9:1-16 e Salmos Capítulos 79-82
__________

 

● 2 Abril, 2018

Êxodo 13:1-16

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 9:17-23 e Salmos Capítulos 83-87
__________

 

● 3 Abril, 2018

Êxodo 22:24-23:19

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 9:24-10:11 e Salmos Capítulos 88-89
__________

 

● 4 Abril, 2018

Êxodo 34:1-26

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 10:12-15 e Salmos Capítulos 90-96
__________

 

● 5 Abril, 2018

Números 9:1-14

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 10:16-20 e Salmos Capítulos 97-103
__________

 

● 6 Abril, 2018

Êxodo 13:17-15:26
e
Samuel II 22:1-51

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 11:1-32 e Salmos Capítulos 104-105
__________

 

● 7 Abril, 2018

Deuteronômio 14:22-16:17
e
Isaías 10:32-12:6

E da Leitura diária de Torá (que é feita todos os dias durante todo o ano):
Levítico 11:33-47 e Salmos Capítulos 106-107
__________

 

Uma pergunta:

Por que os judeus celebram Pêssach por 7 (sete) dias?

 

O Midrásh (Shemót Rabá 19:7) explica que embora os judeus tenham saído do Egito no primeiro dia de Pêssach, eles foram perseguidos pelos egípcios até a abertura do Mar Vermelho, que aconteceu sete dias depois. Portanto, embora o Êxodo tenha começado no primeiro dia, não foi completado até o sétimo dia. Os judeus são ordenados a celebrar esses sete dias.

 

Durante cada um dos dias de Pêssach os Bnei Nôach podem fazer suas orações como sempre fazem-no, e podem, se quiserem, fazer também as seguintes orações*:

Nishmát Col Chái

 

Que a alma de todo ser vivo abençoe TEU NOME, Hashém, nosso Deus, e o espírito de toda criatura glorifique e exalte a TUA lembrança, Rei nosso, permanentemente. Desde o mundo mais elevado até o mais baixo, TU és o Deus Todopoderoso; e fora de TI não temos Rei, Redentor e Salvador que liberta, resgata, sustenta, responde e SE apieda em todo momento de aflição e tribulação; não temos outro Rei, além de TI. (TU és) o Deus das primeiras e das últimas (gerações), Deus de todas as coisas criadas, Senhor de todos os acontecimentos, que é exaltado com múltiplos louvores, que dirige SEU mundo com bondade, e as SUAS criaturas com compaixão. Na verdade, Hashém não cochila nem dorme. É ELE QUEM anima os que dormem, QUEM desperta os que cochilam, QUEM faz o mudo falar, QUEM liberta os presos, QUEM sustenta os que caem, e QUEM endireita os encurvados. Somente a TI damos graças. Ainda que a nossa boca estivesse tão cheia de cântico como o mar (está cheio de água), a nossa língua de melodia como o bramido das suas ondas, e nossos lábios de louvor como a expansão do firmamento; e nossos olhos resplandecessem como o sol e a lua, nossas mãos estivessem estendidas como (as asas das) águias do céu, e nossos pés fossem ligeiros como o cervo – ainda assim não seria o suficiente para TE agradecer, Hashém, nosso Deus, e para bendizer TEU NOME. Os membros que TU dispuseste dentro de nós, o espírito e alma que TU insuflaste em nossas narinas, e a língua que TU puseste em nossa boca – todos eles hão de agradecer, abençoar, louvar e glorificar, exaltar e adorar, santificar e proclamar a soberania de TEU NOME, nosso Rei. Porque toda boca TE agradecerá, toda língua há de jurar com TEU NOME, todo olho TE observará, todo joelho se ajoelhará diante de TI, todos aqueles que estão erguidos haverão de prostrar-se diante de TI, todos os corações haverão de temer a TI, e cada uma das partes mais internas cantarão ao TEU NOME, como está escrito [em Tehilím/Salmos 35:10]: “Declare todo meu ser: Hashém, quem é como TU? Que salva o pobre do mais forte, ao pobre e ao destituído do que ia roubar-lhe!” Quem pode assemelhar-se a TI, quem pode igualar-se a TI, quem pode comparar-se a TI, o grande, poderoso e temido Deus, Deus enaltecido, Criador do céu e da terra! TE louvaremos, exaltaremos e glorificaremos, e abençoaremos TEU Santo NOME, como está dito [em Tehilím/Salmos 103:1: “Um Salmo] por David: abençoe a Hashém, minha alma, e todo meu ser – a SEU Santo NOME.” Todos TE reconhecerão e todos TE louvarão e todos dirão: “Não há santo como Hashém!” Todos TE exaltarão para sempre, Hashém, CRIADOR de tudo, Deus que a cada dia faz com que o sol e a lua iluminem o mundo inteiro e seus habitantes, os quais criou de acordo com o atributo da misericórdia, que com misericórdia ilumina a terra e os que a habitam, e em SUA bondade renova a cada dia, permanentemente, a obra da criação. Quão abundantes são TUAS obras, Hashém! TU as fizeste todas com sabedoria, a terra está cheia das TUAS criações. REI, que por SI só já é elevado desde antes dos tempos, louvado, glorificado e enaltecido desde o momento da criação; Hashém, Deus do universo, em TUAS abundantes misericórdias apieda-TE de nós. Não há ninguém comparável a TI, e ninguém além de TI; não há nada sem TI, e quem é como TU? Não há ninguém que se compare a TI, Hashém, nosso Deus – neste mundo; e ninguém fora de TI, nosso Rei – na vida do Mundo Vindouro; não há nada sem TI, nosso Redentor – nos dias de Mashíach; e não há ninguém como TU, nosso Salvador – na era da ressurreição dos mortos.

 

 

Yaalé Veiavó

 

Nosso Deus, que ascenda, venha e alcance, seja vista, aceita, e ouvida, trazida à memória e lembrada diante de TI a nossa lembrança e recordação, a lembrança de Mashíach, o filho (descendente) de David, TEU servo, a lembrança de Yerushaláyim (Jerusalém), TUA cidade sagrada, e a lembrança de todo TEU povo, a Casa de Israel, para salvação, bem-estar, graça, bondade, misericórdia, boa vida e paz, neste dia de convocação santa que TU deste aos Bnei Yisrael (Filhos de Israel), TEU povo. Lembra-nos neste (dia), Hashém nosso Deus, para o bem; tem-nos presente neste (dia) para bênção; ajuda-nos neste (dia) para a boa vida. Com a promessa de salvação e compaixão, compadece-TE e sê benigno conosco; tem piedade de nós e salva-nos; pois nossos olhos estão dirigidos a TI, pois TU, Deus, és um Rei gracioso e misericordioso.

Nosso Deus, reina sobre o mundo inteiro em TUA glória, sê exaltado sobre toda a terra em TEU esplendor, e revela-TE na majestade de TEU glorioso poder sobre todos os habitantes de TEU mundo terrestre. Que tudo o que foi feito saiba que TU o fizeste; tudo o que foi criado compreenda que TU o criaste; e declare todo aquele que possua alento (de vida) em suas narinas que Hashém, Deus de Israel, é REI, e SEU reinado tem domínio sobre tudo. Purifica nosso coração para servir-TE com sinceridade, pois TU és o verdadeiro Deus, e TUA palavra, nosso Rei, é verdadeira e perdura para sempre.

TU tens TE mostrado para que se saiba que Hashém é O Deus; não há mais nada fora ELE. TEU Reinado é um reinado sobre todos os mundos, e o TEU domínio está através de todas as gerações. Hashém é Rei, Hashém foi Rei, Hashém será Rei para todo o sempre. Hashém dará força a nós Bnei Nôach e ao SEU povo Israel; Hashém abençoará os Bnei Nôach e o SEU povo Israel com a paz.

Hashém, nosso Deus, todas as TUAS obras TE louvarão, e TEUS devotos, os justos que cumprem a Tua vontade, e todo o TEU povo, a Casa de Israel, com canto jubiloso louvarão e abençoarão, enaltecerão e glorificarão, exaltarão e adorarão, consagrarão e proclamarão a soberania de TEU NOME, nosso Rei. Pois é bom louvar-TE, e apropriado cantar a TEU NOME, pois do mundo mais elevado ao mais baixo TU és Deus. Bendito és TU, Hashém, Rei enaltecido com louvores.

 

* Sidúr Tehilat Hashém para Dias de Semana, Shabát e Yom Tov, Editora Beith Lubavitch.

 

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

_________________

Dedicado a A R.

 

Padrão
Uncategorized

O cristianismo NÃO é o melhor caminho para os não-judeus

O cristianismo NÃO é o melhor caminho para os não-judeus

 

Por Noahidebr

 

Perguntas E Respostas

 

Pergunta

O que o Maimônides quis dizer com o cristianismo ser o melhor caminho para os cristãos?

 

Resposta

Onde você leu isso?
Ou foi alguém que lhe falou que ele disse isso?

Acontece que o Rav Maimônides nunca disse isso.
O Rav Maimônides nunca disse que alguma religião, qualquer que seja, é o melhor caminho para esses ou aqueles não-judeus. Ele nunca disse que os não-judeus podem ou devem ser cristãos, ou maometanos, ou qualquer outra coisa. Muito pelo contrário, ele disse que “Moisés foi ordenado pelo TODOPODEROSO a compelir TODOS OS HABITANTES DO MUNDO a aceitar as leis transmitidas aos descendentes de Noé.”
Afirmar que o Rav Maimônides disse que o cristianismo (ou o islamismo) é o melhor caminho para os não-judeus – ou que uma religião específica é o melhor caminho para algum povo não-judeu – é inventar palavras e colocá-las em sua boca, é distorcer seu ensinamento tão claro de que ‘foi O PRÓPRIO CRIADOR (através da Torá) QUEM ordenou a todas as pessoas do mundo o cumprimento das Sete Leis de Noé.’ Deste modo, infelizmente, até mesmo rabinos que defendem que não-judeus continuem sendo cristãos ou maometanos (muçulmanos) – que afirmam que não há problema nisso – estão indo contra o que o Rav Maimônides ensinou.

Segundo o Rav Maimônides, não existe o “melhor” caminho espiritual para os não-judeus. Existe sim O ÚNICO Caminho Espiritual para os não-judeus, O Caminho LEGÍTIMO, que é O Caminho Original, O Caminho conhecido como “Bnei Noach”, O Caminho dos Filhos de Noé. (Este é O Caminho para cada “ben Nôach” (“filho de Noé”) e para cada “bat Nôach” (“filha de Noé”), para todos os “benê Nôach” (“filhos de Noé”) e para todas as “banót Nôach” (“filhas de Noé”).) A alternativa para aquele que não deseja ser noaíta é tornar-se judeu. Portanto, segundo o Rav Maimônides, existem apenas Dois Caminhos Espirituais para a humanidade seguir, o Judaísmo para os judeus e para aqueles não-judeus que desejam cumprir todos os (613) mandamentos da Torá (que então passam pela conversão), e as Leis Noaíticas para os não-judeus. O Rav Maimônides declarou que “qualquer pessoa que aceita o cumprimento destes Sete preceitos [de Noé] e é cuidadosa na sua observância, é considerada como um dos devotos [de Deus] entre os gentios e terá o mérito de compartilhar do Mundo Vindouro.
Isto se aplica somente quando ela os aceita e cumpre, porque O SANTÍSSIMO, abençoado Seja, ordenou-lhes isto na Torá e nos informou através de Moisés, nosso mestre, que mesmo previamente, os descendentes de Noé foram obrigados a cumpri-los.
No entanto, se a pessoa cumpre os preceitos por convicção intelectual, ela não é devota [de Deus] entre os gentios e nem sábia.”

O que o Rav Maimônides declarou sobre o cristianismo e o islamismo foi que, uma vez que esses foram inventados, ainda assim, de alguma forma, eles acabaram por difundir (mais rapidamente e mais abrangentemente) em todo o mundo alguns conceitos originalmente judaicos – obviamente distorcidos, adulterados, é verdade, mas – espalharam pelo mundo inteiro idéias como a criação do mundo por um único deus, leis divinas, o messias, a ressurreição dos mortos, entre outras. Assim, ter D’us permitido a existência dessas invenções (religiões) serviu ao propósito de na revelação do mashíach (o verdadeiro messias) o mundo todo prontamente reconhecê-lo e aceitá-lo. (É o que chamaríamos – segundo o ditado popular – de “o tiro saiu pela culatra”. Ou seja, é lógico que tais religiões foram inventadas para a dominação e controle das massas, mas ao mesmo tempo, sem querer, essas mesmas massas já foram (ou já estão) (de algum modo) preparadas para o derradeiro destino do mundo, de modo que, assim que mashíach for revelado, elas facilmente, sem dificuldades, perceberão que foram enganadas e iludidas, e retornarão à Fé Original (A Fé em Hashém).
Isto já está acontecendo, sim, exatamente agora, em nossos dias.)

“A intenção do CRIADOR do mundo não está ao alcance da compreensão do homem, porque [conforme Isaías 55:8] SEUS caminhos não são nossos caminhos, nem SEUS pensamentos são nossos pensamentos. [Eventualmente,] todos os atos de Jesus e de Muhammed, que surgiu depois dele, servirão somente para preparar o caminho para a vinda do Mashíach e para o melhoramento do mundo inteiro, motivando as nações a servirem D’us juntas, como [Sofonias 3:9] declara: ‘Então EU farei os povos puros de palavras para que todos proclamem O Nome de Havayah e O sirvam de comum acordo.’
Como isto acontecerá? [Em decorrência da invenção dessas religiões,] o mundo inteiro já está familiarizado com o assunto do Messias, da Torá e dos mandamentos. Estes assuntos foram difundidos e se espalharam até as nações mais distantes, para muitas nações [até então] de coração teimoso, [mas] que [agora] discutem estes assuntos e os mandamentos da Torá. [As nações cristãs] dizem: ‘Estes mandamentos são verdadeiros, mas não estão em vigor na era atual e não são válidos para todas as épocas.’ [As nações maometanas] dizem: ‘Nos mandamentos há conceitos ocultos que não podem ser entendidos de maneira simples. O “messias” [Muhammed] já veio e já os revelou.’
Então quando Mashíach, o verdadeiro messias,” for revelado, “todas as nações retornarão e entenderão que seus ancestrais lhes legaram uma falsa herança e seus “profetas” e ancestrais levaram-nas ao erro.”
(Maimônides, As Leis dos Reis, 11:4.)

 

Veja também:

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

 

Uma outra pergunta

Depois da revelação de mashíach, todos os povos se converterão ao judaísmo?

O Rav Maimônides também nunca disse isso.
Não há profecia alguma no Tanách que afirme que toda a humanidade algum dia se tornará judia.
O livro “Os Dias de Mashiach”, do Rav Menachem M. Brod, Editora Chabad, explica:

“À medida que Mashiach retificar a humanidade em geral, tanto o povo judeu como as nações gentias passarão a cumprir suas respectivas funções.
O Judaísmo não aspira a tornar-se a religião da humanidade. Pelo contrário, … segundo o Judaísmo, os gentios têm sua própria missão:” vivenciar as “Sete (Categorias de) Leis de Nôach”.

O mundialmente reconhecido Rabino-Chefe Senhor Jonathan Sacks explica isso exaustivamente.
Citando algumas de suas palavras:

“O judaísmo … não afirma que é o único caminho para a salvação. Não é preciso ser judeu para ser bom, sábio, relacionar-se com D’us ou ser amado por D’us. Os rabinos ensinaram que os justos de todas as nações [i.e., todos os não-judeus que aceitam sobre si as Leis Noaíticas] têm uma porção no mundo vindouro (o mundo depois da revelação de mashíach).
O D’us de Israel é O D’us de todos, mas a religião de Israel não é a religião de todos. Os profetas não previram que as nações do mundo abraçariam a religião de Israel, com seu conjunto complexo de [613] mandamentos, nem mesmo no fim dos dias. Elas reconhecerão D’us [Hashém]. Irão a Jerusalém para rezar. Converterão suas espadas em arados e não guerrearão mais. Contudo, NÃO se tornarão judias.”
(Tempo Futuro. Editora Sêfer.)

 

Veja também a matéria

https://noahidebr.com/2016/09/01/the-sons-of-noahos-filhos-de-noah/

 

 

Por Noahidebr

© Noahidebr 2015-2018

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

A Principal Função do Mashíach

B”H

 

A Principal Função do Mashíach

[(E a verdadeira razão pela qual Yeshu não é o mashíach)]

 

Por Rav Yeheskel Lebovic
(Em 02/7/2015)

 

“Vê-lo-ei, mas não agora, e o olharei, mas não em breve. Partirá uma estrela de Yaacóv e se levantará um cetro de Israel. E matará os senhores de Moav e dominará a todos os filhos de Shet.” – Bamidbár 24:17

 

O Rav Maimônides (Hilchot Melachim/As Leis dos Reis 11:1) escreve que a terminologia repetitiva e dupla deste versículo se refere a dois messias: um, o primeiro, o Rei David, o outro, o segundo, o Mashíach final.

Temos de entender por que o Rei David é referido como este primeiro Mashíach. Afinal, se é apenas em virtude de ele ter sido ungido (mashíach=ungido), existiram outros reis ungidos antes dele. E, aparentemente, faz mais sentido dizer que Moshe Rabênu, geralmente referido no Talmud como o “primeiro redentor”, se qualificaria como o primeiro Mashíach deste versículo.

Estas perguntas podem ser respondidas pela análise de qual é a principal função do Mashíach segundo o Rav Maimônides. Sua formulação indica que não é a capacidade de fazer milagres ou de provocar mudanças dentro do curso da natureza, nem é ter uma capacidade profética do mais alto calibre.

Em vez disso, é o fato de que ele vai “obrigar” todos os judeus a cumprirem todas as leis da Torá em sua totalidade e assim levantarem a bandeira da Torá e da glória de Deus em todo o mundo.

Ele por fim levará toda a humanidade a um estado de direção espiritual cada vez mais profunda mediante a reconstrução do Bêt Hamicdásh e a reunião de todos os [judeus] exilados na Terra Santa de Israel.

O Rei David foi o primeiro a estabelecer a base sólida de Israel como uma Terra Santa teocrática unificada, impondo A Vontade de Deus sobre todos os seus habitantes e abrindo o caminho para o eventual estabelecimento do Reino de Deus na Terra. Isso explica a opinião do Rav Maimônides de que David é o primeiro Mashíach aludido neste versículo.

Isso vai explicar também a diferença entre o procedimento necessário para estabelecer as credenciais de um profeta e o procedimento necessário para o Mashíach verificar suas credenciais únicas.

As credenciais de um profeta são estabelecidas com base em sua capacidade profética, pois esta é a sua principal função: ele tem de prever vários eventos futuros, e eles têm de ocorrer com precisão.

As credenciais do Mashíach são estabelecidas por sua capacidade de reforçar a observância da Torá em todo o mundo judaico – sendo esta, naturalmente, a sua principal função.

Ele também tem de demonstrar que ele está impactando o mundo não-judaico, pois as Sete Leis Noaicas (dos Noaítas) também são ordenadas na Torá, e que ele está procedendo assim para fazer de toda a Terra um lugar de morada para a Glória revelada de Deus.

Por conseguinte, a mitsvá de acreditar na vinda do Mashíach, conforme o Rav Maimônides, assume uma dimensão adicional: nós de um modo geral não só temos de acreditar que Mashíach finalmente virá, mas também, mais especificamente, que ele vai trazer o mundo inteiro – judeus e gentios igualmente – a reconhecer e aceitar a regra da Lei Divina.

Visto que existem aqueles que vão se opor a este processo, há a necessidade do Mashíach, como rei e governante, vencer toda oposição deste tipo por, nas palavras do Rav Maimônides, “travar as batalhas de Deus” à maneira do Rei David.

Isso também responde a uma outra pergunta: Por que o Rav Maimônides organizou as Leis dos Reis no fim do Mishnê Torá – com as leis do Mashíach no final – quando parece que elas deveriam ter sido organizadas antes das Leis da construção do Bêt Hamicdásh?

A razão é que o único que pode implementar plenamente todas as leis da Torá como delineadas em todos os 14 livros do Mishnê Torá é um benevolente mas poderoso rei judeu da estatura de David – em outras palavras, o maior e mais poderoso rei de todos, Mashíach Tsidkênu.

Ele vai dedicar seus poderes concedidos por Deus para erradicar todas as formas de maldade deste mundo a fim de estabelecer o Reino de Deus na Terra. Ele vai derrubar e erradicar todas as forças que se opõem ao Plano Mestre que Deus escolheu implementar, independentemente de qualquer um dos ventos políticos que sopram no mundo todo.

Os seus grandes dons de sabedoria e profecia são, portanto, secundários a esta função principal, como explicado acima. Ele trará tikun (retificação) aos habitantes do mundo, que vão, em seguida, reconhecer as falsidades das crenças impostas a eles por seus antepassados, reconhecendo que essas crenças estão na categoria de “falsidades repetidas o tempo suficiente para serem aceitas como verdade” (Yirmiyáhu/Jeremias 16:19; Zechariá/Zacarias 8:23).

A maioria esmagadora dos habitantes do mundo – pessoas honestas e boas – então prontamente se juntará às fileiras dos crentes no verdadeiro Mashíach enquanto ele prepara sua revelação, em breve.

 

 

Por Rav Yeheskel Lebovic

(Ordained by the United Lubavitcher Yeshivoth.)

© The Jewish Press 2017

 

Traduzido por Noahidebr

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

 

Padrão
Uncategorized

Noaítas e os 613 Mandamentos Judaicos Divinos (ou a criação de ritos)

Noaítas e os 613 Mandamentos Judaicos Divinos

Noaítas e a criação de ritos religiosos

 

B”H

 

Perguntas e Respostas

 

Por Noahidebr

 

O Rav Maimônides disse que os noaítas (Bnei Nôach/Filhos de Noé) podem cumprir se quiserem ALGUNS dos 613 mandamentos que Hashém deu para os judeus ou que os noaítas podem cumprir TODOS os 613 mandamentos?

 

O Rav Maimônides NUNCA disse que os noaítas podem cumprir todas as 613 leis da Torá (até porque se os noaítas cumprissem todas as 613 leis da Torá, eles já não seriam mais noaítas, e sim, judeus).

O Rav Maimônides deixou claro que a observância – o cumprimento – das 613 mitsvót da Torá cabe unicamente “a Israel” (o povo judeu), incluídos aí, não os noaítas, mas os convertidos (“e a todos aqueles que desejam SE CONVERTER dentre as outras nações”).

O Rav Maimônides considera que até mesmo somente estudar a explicação do cumprimento de todas as 613 mitsvót da Torá (Halachá) por parte dos noaítas já tornam-nos ‘passíveis de punição’ porque “eles devem se dedicar somente ao estudo de [suas] Sete [Categorias de] Leis”, e sendo assim, que dirá de cumprirem todas as 613 mitsvót.

O Rav Maimônides deixou claro que se um noaíta desejar (por conta própria) “cumprir um dos [613] mandamentos da Torá (“UM DOS 613″, e não TODOS OS 613) a fim de receber uma recompensa [Divina],” ele pode. Mas o Rav Maimônides deixou mais claro ainda que, por outro lado, se os noaítas desejarem “aceitar todos os [613] mandamentos” que eles ‘se tornem convertidos’.

 

Veja

https://noahidebr.com/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

e também

https://noahidebr.com/2018/04/02/o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

 

e ainda

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

 

Leia as próprias palavras do Rav Maimônides em:

https://noahidebr.com/2016/08/01/maimonides-e-os-noahidas-bnei-noach/  .

 

E como reitera o Jews for Judaism.org (Judeus para o Judaísmo):

“Na verdade, estas [denominadas “Sete Leis de Noé”] são 7 categorias e incluem [muitos] outros detalhes.”

Explica o Rav Aaron Parry no Jews for Judaism.org:

“À primeira vista, pode parecer que a diferença entre a observância judaica (613 mandamentos para judeus) e não-judaica (sete para não-judeus) é enorme. Mas se olharmos um pouco mais de perto, veremos que não é tão grande quanto parece.

Estes são sete princípios básicos que têm – todos eles – muitas implicações. Ao observar adequadamente os sete mandamentos, um não-judeu realmente vai incorporar 66 mitsvót da Torá[*] que especifica alguns desses itens com maior detalhe. Os sete princípios básicos envolvem considerações muito maiores; por exemplo, o sétimo (princípio) implica que não se deve praticar a crueldade com os animais. Além disso, no presente momento, quando já não temos um Templo Sagrado em Jerusalém ou um Grande Sanhedrin (Supremo Tribunal Judaico de 71 sábios idosos), muitas das 613 mitsvót não se aplicam. Como resultado, um judeu de hoje pode cumprir possíveis 271 mitsvót. Então, há aproximadamente uma proporção de quatro para um na quantidade de mandamentos que um judeu de hoje deve cumprir, em comparação com um não-judeu. Além disso, muitos dos mandamentos adicionais dos judeus têm a ver com Shabát ou feriados judaicos[**] ou com mandamentos como [tsitsít (talít), tefilín, mezuzá, etc.], que não são exigidos dos não-judeus.[***]”

 

(© Copyright Jews For Judaism 2017)

 

https://noahidebr.com/2016/02/01/66-ramificacoes-dos-7-mandamentos-noaicos/

 

** https://noahidebr.com/2018/03/30/pessach-e-os-bnei-noach/

 

*** https://noahidebr.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-os-noaitas-nao-devem-observar/

e

https://noahidebr.com/2017/11/23/os-noaitas-e-o-talit-tsitsit/

 

 

 

Considere também (conforme está no link acima) a exortação do Rav Dr. Jacob Immanuel Schochet (Chabad), que disse:

“Existem linhas claras de distinção entre judeus e gentios e estas devem permanecer exatamente assim”, significando isso que um noaíta jamais deve parecer um judeu de forma alguma por apropriar-se dos mandamentos característicos de identidade judaica, levando assim judeus e não-judeus à confusão de pensarem que ele é judeu, e desrespeitando os limites estabelecidos pelo PRÓPRIO CRIADOR.

 

Agora, o que temos observado é que, na verdade, ALGUNS Bnei Nôach (noaítas) têm tido a necessidade não de terem mais de 7 mandamentos para cumprir, e sim de terem uma liturgia noaítica e de terem um modo de demonstrarem (para si mesmos e para os outros) a sua religiosidade (ritos internos e externos) – em outras palavras, de terem uma religião. Este é o verdadeiro ponto. E isto é o resultado de a grande maioria dos noaítas virem das religiões – principalmente, das igrejas cristãs – (que, exatamente por serem religiões, possuem então liturgias e seus ritos), e de eles aprenderem sobre Bnei Nôach com o judaísmo (que tem sua própria liturgia, já que se trata, também, da religião de um povo), e de o noaísmo NÃO ser uma religião – tampouco uma religião judaizada (como uma espécie de judaísmo para não-judeus) – mas um código de conduta. O Rav Maimônides então PROIBE exatamente os Bnei Nôach de ‘criarem ritos religiosos (ou copiarem os ritos judaicos).’*

* Certamente, isto nada tem a ver com o fato de que Bnei Nôach podem – e devem – louvar, abençoar e orar a Hashém.

 

Por Noahidebr
© Noahidebr 2015-2018

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Pedido de Divórcio

B”H

 

Perguntas E Respostas

 

Por Noahidebr

 

Pergunta

É verdade que, para os noaítas (Bnei Noach/Filhos de Noé) casados, quando o divórcio torna-se necessário, somente o homem deve pedi-lo? Ou seja, em outras palavras, que a mulher não pode pedir o divórcio?

 

Resposta

Não, isso não é verdade. É um mito a infundada afirmação de que só o homem deve pedir o divórcio e nunca a mulher. Ambos (homem e MULHER) têm o direito de pedir o divórcio. Quem esclareceu este procedimento foi o Rav Moshe Ben Maimon (também conhecido como Rambam ou ainda Maimônides). Ele declarou:

“O assunto do divórcio não depende exclusivamente da vontade do homem. Quando o homem ou A MULHER decidem se divorciar, ELES [quer dizer, AMBOS (homem e MULHER)] podem.” – As Leis dos Reis, capítulo 9, lei 8.

(Em português, página 111, Editora Maayanot.)

 

Artigo por Noahidebr

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

Padrão