Uncategorized

“Uma palavra” sobre o Rebe

B”H

 

“Uma palavra” sobre o Rebe

 

Por Rav Simon Jacobson (Chabad)

 

Mesmo sendo um líder judeu (o sétimo do movimento Chabad-Lubavitch), o Rebe (Rabi Menachem Mendel Schneerson, 1902-1994) ensinava – e personificava – uma mensagem nitidamente universal, exortando toda a humanidade a levar vidas produtivas e virtuosas, e conclamando a união entre todos os povos.

O Rebe enfatizava constantemente que todos os pensamentos virtuosos do mundo não produzem um único ato virtuoso, um único gesto de ajuda, um único dólar para a caridade. Uma fusão de pensamento e ação, pregava ele, é vital.

Por mais que os ensinamentos do Rebe contenham uma mensagem universal, deve-se lembrar que ele era primordialmente um líder judaico. Como tal, lançou um esforço sem precedentes para estimular cada judeu a abraçar e aprofundar sua conexão com o judaísmo; suas preleções se referiam especificamente aos meios pelos quais os judeus deveriam cumprir as mitsvót (“obrigações”) que a Torá – palavra que significa “instrução” – (a Torá) inclui não apenas [o Pentateuco, os cinco livros de Moisés, e por extensão todo o Tanách,] a Bíblia [judaica,] como também a compilação dos ensinamentos orais e escritos, sua interpretação e aplicação, transmitidos de mestre para discípulo numa corrente ininterrupta que começa com Moisés – lhes ordena. Mas todos os seus ensinamentos giravam essencialmente em torno de uma premissa: D’us criou o universo com a intenção de que a humanidade o civilizasse e o aperfeiçoasse. E D’us nos legou um plano com o qual realizar este propósito: a Torá – a mesma Torá que Moisés recebeu do Próprio D’us no Monte Sinai, a mesma Torá cujas verdades inabaláveis permeiam a própria formação da humanidade desde sua gênese. Como o Rebe constantemente nos lembrava, obedecer a Torá e suas mitsvót (leis) não é opcional ou arbitrário. Ainda que fiel à tradição e à lei judaicas, o Rebe expunha as verdades universais da Torá a todas as pessoas. O Rebe enfatizava especialmente o dever de manter-se fiel às Shéva Mitsvót Bnei Nôach, Sete Leis dos Filhos de Noé, o código universal de moralidade e ética que foi legado à toda a humanidade no Sinai.
Não importa o quão diferentes possamos ser como seres humanos, não importa o quanto possam diferir nossas formações e destinos individuais, a mensagem da Torá se dirige a todos nós, dizendo que cada um de nós foi criado à imagem de D’us, e que devemos viver de acordo com esta realidade, que devemos viver em harmonia uns com os outros e transformar este mundo, por intermédio da virtude, da caridade e da bondade, em uma casa de D’us. Cada pessoa e cada nação tem um papel peculiar – com suas mitsvót específicas – por intermédio do qual esta missão universal deve ser cumprida.

O Rebe enfatizava que, depois de todos esses anos refinando este universo material, havia chegado a época de tornar D’us uma realidade na vida das pessoas; ele admitia que as pessoas, em todos os lugares, agora estão receptivas a um mundo que será “cheio do conhecimento de Hashém (D’us), assim como as águas cobrem o mar” (Isaías 11:9).

 

Extraído da “Introdução” do livro “Rumo a uma vida significativa: a Sabedoria do Rebe Menachem Mendel Schneerson”, adaptação Rabino Simon Jacobson, Editora Maayanot.

 

Eu creio com plena fé nos Treze Princípios da Torá:

12. Creio com plena fé na vinda de Mashíach. Mesmo que demore, esperarei por sua vinda a cada dia. O Mashíach (o verdadeiro messias) será um indivíduo imerso no estudo da Torá e suas Mitsvót (Mandamentos), como David, seu ancestral. Ele irá seguir meticulosamente a Torá Escrita (Torá Shebichtav) e a Torá Oral (Torá Shebeal Pê). Ele irá conduzir os judeus de volta ao caminho do judaísmo e fortalecerá a observância da Torá e suas Mitsvót. Ele, e só ele, irá trazer toda a humanidade à observância das Mitsvót Bnei Nôach. Todas as nações retornarão à fé original. “Ki maleá haárets deá et Hashém camáyim laiám mechassim” – “A terra estará repleta do conhecimento de Hashém, assim como as águas cobrem o mar.” (Yeshayáhu/Isaías 11:9)

 

Veja os ensinamentos do Rebe para todos os não-judeus do mundo em

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

https://noahidebr.com/2016/01/29/o-caminho-espiritual-do-nao-judeu/

https://noahidebr.com/2016/08/05/caminhar-na-presenca-de-dus/

https://noahidebr.com/2015/10/09/o-rebe-e-as-sete-leis-dos-noaitas/

 

E veja outras matérias relacionadas a estes ensinamentos em

https://noahidebr.com/2016/09/01/os-sete-mandamentos-dos-filhos-de-noach-noe/

https://noahidebr.com/2016/08/01/dois-artigos-o-rebe-os-judeus-e-os-noaitas-mais-de-5-000-visualizacoes/

https://noahidebr.com/2015/09/08/as-sete-mistvot-que-unem-a-humanidade/

 

 

© Noahidebr 2015-2018

https://noahidebr.com/copyright/

Anúncios
Padrão
Uncategorized

D’us e As Orações

É chegada a hora da Verdade.

 

 

Torá e Judaísmo e Fé Bnei Nôah (A Verdadeira Fé dos não-judeus) são construídos sobre o princípio firme e inabalável de que todas as pessoas têm uma alma Divina (criada à imagem de D’us), e por isso têm acesso a D’us o tempo todo.

A Torá (A Única e Verdadeira Palavra de D’us) pertence a todas as pessoas. A Torá é a Divina verdade – um projeto para a vida, consistindo em conhecimento e informação dadas a todas as pessoas para orientá-las para encontrar seu caminho neste mundo.

Infelizmente, as religiões dos não-judeus não ensinaram a pura verdade, mas sua versão distorcida da verdade. Quantas pessoas foram magoadas por acreditar inocentemente em seus mestres, somente para depois (algumas mais tarde que outras, e algumas ainda não) descobrir como aqueles professores desrespeitaram a verdade?

Há mais de três mil anos a Torá foi outorgada no Monte Sinai para o Povo Judeu (para aproximadamente 3 milhões de pessoas simultaneamente) e por meio deles para o mundo todo. D’us estava nos dizendo “EU dei Minha verdade a todos, e cada um de vocês tem acesso a ela.”

Endeusar indivíduos é proibido no Judaísmo. A idolatria é um pecado cardinal. Adoramos apenas D’us e somente D’us (discernindo que D’us não é humano (nunca o foi)). Não devemos reconhecer nenhum humano como único filho de D’us ou como o único divino. Todas as pessoas são sagradas e têm acesso direto a D’us. Todos nós temos acesso direto a D’us o tempo todo por meio de nossas almas Divinas.

Portanto, quando orar, converse diretamente com D’us, e exclusivamente com ELE, sem usar o nome de ninguém, sem ser em nome de ninguém. Tenha como exemplo de orações o Livro dos Salmos. Observe a drástica diferença entre as orações do Livro dos Salmos e as orações, por exemplo, dos cristãos. Observe atentamente o fato de que nenhuma oração do Livro dos Salmos é feita em nome ou no nome de alguém. Todas as orações de todos os salmistas eram e foram conversas entre eles mesmos e D’us (direto a D’us, direto com D’us), sem nenhum intermediário, sem nenhum mediador. Eles pediram (diretamente) a D’us, eles louvaram (diretamente) D’us (sem o nome de ninguém).

Se uma pessoa acredita em D’us, que necessidade tem ela de algum intermediário? D’us é infinito (na verdade, D’us é O Infinito). D’us está em toda parte. Dizer que ELE precisa de um mediador para ouvir nossas orações é negar Sua Infinitude. Portanto, um dos fundamentos da Verdadeira Fé é acreditar que toda oração deve ser dirigida diretamente a D’us (quer dizer, sem ser em nome de alguém).

 

Por pt.chabad.org, por Noahidebr, e por Rav Aryeh Kaplan.

 

 

© Noahidebr 2015-2018

 

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Os Gentios (os não-judeus)

Os Gentios (os não-judeus)

 

Por Mechon-mamre.org

 

A Torá sustenta que os gentios justos de todas as nações (aqueles que observam as Sete [Categorias de] Leis de Noach (Noé), listadas abaixo) têm um lugar no Mundo Vindouro. Mas nem todos os gentios religiosos ganharão a vida eterna em virtude de observarem a sua religião[*]:

[* Quer dizer, ter religião ou ser religioso não é sinônimo de se ser gentio justo (pois que o próprio termo gentio justo já é sinônimo de devoto de Hashem).]

Por exemplo:

• Embora se reconheça que os muçulmanos [possuem um conceito unitário de Deus], nem sequer aqueles que seguem os princípios de sua religião podem ser considerados justos aos olhos de D’us, porque eles não aceitam que a Torá (o Pentateuco) nas mãos dos judeus hoje seja a Torá original ditada por D’us [no Monte Sinai] e eles não aceitam as Shéva Mitsvót Nôach, Sete Leis de Noé, como obrigatórias a eles.

• Enquanto os cristãos geralmente aceitam a Bíblia Hebraica como verdadeiramente de D’us, muitos deles (aqueles que aceitam a chamada divindade de Jesus/Yeshu) são idólatras de acordo com a Torá, [pecado este] punível com a morte, e certamente não desfrutarão do Mundo Vindouro. Mas não é só ser um membro de uma denominação em que a maioria são crentes na Trindade que é idolatria, mas a prática idólatra pessoal[*], independentemente da filiação do indivíduo.

[* Como por exemplo, acreditar que D’us tem inimigos ou um arquiinimigo, que existe um inimigo criador do mal, que D’us é pessoa, que D’us é espírito (ser espiritual), que D’us sacrificou um humano, e ainda, que D’us sacrificou um humano pelos pecados de toda a humanidade, que um humano participou na criação do mundo, que tem de se orar para um humano (nesta última questão, alguns cristãos podem argumentar que não oram para Jesus/Yeshu mas apenas em seu nome. No entanto, o chamado novo testamento deixa claro que mesmo “apenas” pedir ao Pai “em nome do seu filho” significa na verdade “falar diretamente com o próprio filho”, sim, orar ao filho, e também deixa claro que o filho não leva orações para o Pai visto que a única coisa que importa para o Pai é que se acredite no filho (João 14:13-14; 16:26-27)).]

[(Para os mitos sobre os Bnei Noach,veja
https://noahidebr.com/2016/09/01/the-sons-of-noahos-filhos-de-noah/
)]

Ao contrário da crença popular, a Torá não sustenta que os judeus são necessariamente melhores que as outras pessoas simplesmente porque são judeus. Embora sejamos o povo escolhido de D’us, não acreditamos que D’us escolheu os judeus por causa de qualquer superioridade inerente. De acordo com uma história no Talmud, D’us ofereceu a Torá a todas as nações da terra, e os judeus foram os únicos que a aceitaram. De acordo com outra história, ofereceu-se a Torá aos judeus e eles aceitaram-na somente porque D’us susteve uma montanha sobre suas cabeças! Outra história tradicional sugere que D’us escolheu os judeus porque eram os mais humildes das nações, e seu sucesso seria atribuído ao poder de D’us em vez de a sua própria capacidade. Claramente, estas não são idéias de um povo que pensa que são inerentemente melhores do que outras nações.

Por causa da aceitação da Torá, os judeus têm um status especial aos olhos de D’us, mas perdem esse status especial quando abandonam a Torá. Além disso, as bênçãos que os judeus recebem de D’us por aceitarem a Torá vêm com um preço elevado: os judeus têm uma responsabilidade [espiritual/moral] maior do que os não-judeus. Enquanto os não-judeus só são obrigados a obedecer as sete categorias de leis dadas a Noé, os judeus são responsáveis pelo cumprimento das 613 mitsvot (leis) da Torá, assim, D’us punirá os judeus por fazerem muitas coisas que não seriam um pecado para os não-judeus.

As Sete Leis de Noé

De acordo com a tradição da Torá, quando D’us salvou Noé e sua família do dilúvio, ELE lhes deu sete mandamentos para observarem. Estes mandamentos são conhecidos como os mandamentos noaicos ou os mandamentos noaíticos (dos noaítas). [Na Torá (bíblia), os mandamentos noaicos NÃO são:
(1.) enumerados como sete,
(2.) denominados mandamentos ou mandamentos noaicos,
(3.) nem mesmo caracterizados como mandamentos (eles nem sequer possuem o formato de mandamentos).
É a tradição que aponta sete mandamentos na Torá – primeiramente a partir de uma série de referências específicas para punições dadas aos não-judeus para esses tipos de transgressões* – e compila a lista de sete.
(* Veja
https://noahidebr.com/2016/02/04/as-sete-leis-de-noe-no-talmud-da-babilonia-sanhedrin-56a/
No artigo do Rav Adin Steinsaltz)]

Os mandamentos noaicos são:

não cometer idolatria;
não cometer blasfêmia;
não cometer assassinato;
não ter relações sexuais proibidas;
não cometer roubo;
não comer carne de um animal vivo;
estabelecer tribunais de justiça para punir os infratores das outras seis leis.

Estes mandamentos podem parecer bastante simples e diretos, e muitos deles são reconhecidos pela maioria do mundo como princípios morais sólidos. Mas de acordo com a Torá apenas os gentios que observam estas leis porque elas lhes foram ordenadas por D’us na Sua [Eterna e Imutável] Torá é que desfrutarão da vida no Mundo Vindouro [(esses são os gentios justos ou justos entre as nações, também denominados os sábios entre as nações, pois são devotos de Hashem entre as nações), agora,] se estas leis são observadas pelos gentios porque elas parecem razoáveis ou se estas leis são observadas por eles porque eles pensam que elas lhes foram ordenadas por D’us por quaisquer outros meios que não o da Sua [Eterna e Imutável] Torá [(em outras palavras, se estas leis são observadas por eles até mesmo porque, de alguma maneira, as suas próprias religiões ensinam-nas)], eles poderiam muito bem não obedecê-las[, a uma, ou a algumas,] no âmbito do Mundo Vindouro[*].

[* Pois poderiam argumentar que, exatamente por estes mesmos meios que não o da Torá (sonhos, visões, chamados, inspirações, profecias, etc), eles receberam novas revelações “de D’us” ordenando-lhes a não obedecê-las (fosse a nenhuma delas ou a algumas delas) (que é o que de fato ocorre na criação das religiões, como de fato ocorreu nos casos do cristianismo e do maometismo (mohammadismo), que seus “profetas” tiveram “novas revelações” e criaram suas religiões abandonando assim a doutrina dos mandamentos universais de Hashem e os substituindo por novas palavras “divinas”).]

Os mandamentos noaicos são obrigatórios para todas as pessoas [em todas as épocas e em todos os lugares], porque todas as pessoas são descendentes de Noé e sua família. As 613 mitsvot da Torá, por outro lado, só são obrigatórias para os descendentes daqueles que aceitaram os mandamentos no Sinai e para aqueles que assumem o jugo dos mandamentos voluntariamente (por conversão). Alguns dizem que os mandamentos noaicos são aplicados de forma mais branda para não-judeus do que os mandamentos correspondentes para judeus, porque os não-judeus não têm o benefício da Torá Oral para guiá-los na interpretação das leis. Alguns rabinos europeus (presumivelmente por causa do medo de represálias de seus vizinhos cristãos, famosos pela sua violência para com os judeus) têm ido tão longe ao ponto de dizer que adorar a D’us na forma de um homem constitui idolatria para um judeu, [pecado este] punível com a morte, mas que o culto cristão de Jesus/Yeshu não constitui idolatria [para os gentios]. Na verdade, qualquer idolatria para a qual um judeu é punido com a morte também um não-judeu é punido com a morte, incluindo adorar um homem como deus.

Neste site, fornecemos (dentro do possível) uma exposição completa das Sete Leis, incluindo muitos detalhes que não poderiam ser adivinhadas a partir da lista acima.

Termos usados para gentios

Parece que alguns gentios preferem o termo mais neutro não-judeu, porém, poucos hoje se sentem insultados por serem chamados de gentios, o termo clássico para nações que aparece frequentemente em traduções da Bíblia. Ao usá-la aqui, certamente não temos nenhuma intenção de ofender ninguém; aliás, nem sequer teríamos escrito este artigo se fôssemos faltar com respeito e carinho para com os gentios.

A palavra hebraica ou iídiche que se usa com mais frequência para um não-judeu é goy. A palavra goy significa nação, e se refere ao fato de que goyim são membros de outras nações, ou seja, outras nações que não os Filhos de Israel. Não há nada inerentemente insultuoso na palavra goy. Na verdade, a Bíblia ocasionalmente se refere ao povo judeu usando o termo goy. Mais notavelmente, em Êxodo 19:6, D’us diz que os Filhos de Israel serão “um reino de sacerdotes e uma nação santa”, ou seja, uma goy cadosh. Porque os judeus tiveram tantas más experiências com antissemitas não-judeus ao longo dos séculos, o termo goy assumiu algumas conotações negativas, mas em geral o termo não é mais insultuoso do que a palavra “gentio”.

Os termos mais insultuosos para não-judeus são shiksa (feminino) e shkutz ou sheketz (masculino). Pode-se concluir que estas palavras são derivadas da raiz hebraica Shin-Cuf-Tsadic, significando repugnante ou abominação. A palavra shiksa, mais comumente usada para se referir a uma mulher não-judia que está namorando ou casada com um homem judeu, deveria dar alguma indicação de quão fortemente os judeus se opõem à idéia de casamentos mistos. O termo shkutz ou sheketz é mais comumente usado para se referir a um homem antissemita. Ambos os termos podem ser usados de uma forma menos grave, mais na brincadeira, mas em geral, em todo o caso, devem ser usados com precaução; na verdade, nós, pessoalmente, só usamos esses termos para nos referirmos a “judeus” apóstatas cujo comportamento é repugnante.

Casamentos Mistos

A Torá não permite ou mesmo reconhece casamentos entre judeus e gentios, se realizados, apesar da proibição. A punição para judeus por esse tipo de casamento é serem cortados do povo judeu e do Mundo Vindouro, [não importa] se o casal se casou formalmente de acordo com a lei secular ou se apenas vivem juntos.

A Torá Escrita afirmou que os filhos de tais uniões seriam afastados do povo judeu (Deuteronômio 7:3-4), e a experiência tem mostrado muito bem a verdade desta passagem: filhos de casamentos mistos raramente são criados como judeus; eles normalmente são educados na fé do parceiro não-judeu ou não-religioso. Este fato pode refletir que os judeus que não casam entre si não estão profundamente comprometidos com a sua religião em primeiro lugar (se estivessem, por que eles iriam casar-se com alguém que não a compartilha?), daí que as estatísticas são suficientemente alarmantes para ser uma questão de grande preocupação para a comunidade judaica.

Alguns judeus ortodoxos chegam ao ponto de afirmar que o casamento misto é realizar o que Hitler não conseguiu: a destruição do povo judeu. Isso pode parecer uma visão extrema, um exagero, mas ilustra vividamente como muitos judeus levam a sério a questão de casamentos mistos. No entanto, atualmente a maioria dos judeus fora da terra de Israel estão tomando parceiros conjugais não-judeus.

Se o cônjuge não-judeu verdadeiramente compartilha os mesmos valores que o cônjuge judeu, então o não-judeu é bem-vindo a converter-se, e se o não-judeu não compartilha os mesmos valores, então o casal não deve se casar em primeiro lugar. Embora a conversão apenas para permitir que um gentio se case com um judeu não seja legítima, muitos gentios inicialmente consideram a conversão após encontrarem um cônjuge judeu potencial, e depois, no final, tornam-se um convertido sincero antes do casamento.

Conversão

Em geral, judeus não tentam converter não-judeus ao judaísmo. Na verdade, de acordo com a Halachá (Lei Judaica), os rabinos deveriam supostamente fazer três tentativas vigorosas para dissuadir uma pessoa de querer se converter ao judaísmo.

Como a discussão acima explica, os judeus têm um monte de responsabilidades que os não-judeus não têm. Para ser considerado uma pessoa boa e justa aos olhos de D’us, um não-judeu precisa seguir apenas os sete mandamentos noaicos, enquanto um judeu tem de seguir todos os 613 mandamentos dados na Torá. Se o potencial converso não for seguir a essas regras extras é melhor para ele ou ela permanecer gentio, e uma vez que os judeus são responsáveis uns pelos outros, também é melhor para nós que essa pessoa permaneça gentia. A tentativa rabinicamente designada para dissuadir um convertido se destina a certificar-se de que o convertido em potencial é sério e disposto a assumir toda essa responsabilidade extra.

Uma vez que uma pessoa tenha decidido se converter, o prosélito deve começar a aprender a lei e os costumes judaicos, e começar a observá-los. Este processo de ensino geralmente leva pelo menos um ano porque o convertido em potencial é incentivado a experimentar cada um dos feriados judaicos; no entanto, a quantidade real de estudo exigido irá variar de pessoa para pessoa (por exemplo, um convertido que foi criado como um judeu pode não precisar de qualquer educação adicional, enquanto outra pessoa precise de vários anos).

Concluído o ensino, o prosélito é apresentado a um Beit Din (Corte Rabínica) que o examina e determina se ele ou ela está pronto para tornar-se um judeu. Se o prosélito passar neste exame oral, são realizados os rituais de conversão. Se o convertido é do sexo masculino, ele é circuncidado (ou, caso ele já tenha sido circuncidado, um pontinho de sangue é extraído para efeitos de uma circuncisão simbólica). Ambos os convertidos, homem e mulher, são imersos no micvê (um banho ritual utilizado para a purificação espiritual). Dá-se ao convertido um nome judeu e então ele ou ela é introduzido na comunidade judaica.

Na teoria, uma vez concluída o processo de conversão, o convertido é judeu tanto quanto uma pessoa nascida na religião. Na prática, o convertido é geralmente tratado com cautela, com precaução, visto que já tivemos um monte de experiências ruins com os convertidos que mais tarde voltaram à sua antiga fé, no todo ou em parte.

 

Por Mechon-mamre.org

© Mechon-mamre.org

 

Traduzido do inglês por Noahidebr

 

© Noahidebr 2015-2018

 

Veja também:

­

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

 

 

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Caminhar na Presença de D’us

Caminhar na Presença de D’us

 

Nôach (Noé) não era cristão/messiânico e nem era muçulmano. Em seu tempo não existia o cristianismo (nem a sua vertente hebraísta, os messiânicos) e nem existia o islamismo. Nôach não acreditava em Jesus/Yeshua/Yahushua e nem acreditava em Muhammad (Maomé). Ainda assim, está registrado que “Nôach andava com D’us.” (Bereshit/Gênesis 6:9) Como isso era possível? De que maneira um não-judeu anda com D’us*?

 

* Sabemos que O Próprio D’us escolheu o Povo Judeu como o Seu Povo e lhes deu o Judaísmo. Mas Nôach também não era judeu, pois ainda não havia surgido o Povo Judeu.

 

UM NÃO-JUDEU CAMINHANDO NA PRESENÇA DE D’US

 

Por Rav Menachem Mendel Schneerson
(O Rebe)

 

Estou certo de que você conhece os assim chamados Sete Mandamentos dados por D’us a Nôach e seus filhos.

Estes são: (1) O estabelecimento de cortes de justiça; (2) a proibição de blasfêmia; (3) de idolatria; (4) de incesto; (5) de derramamento de sangue; (6) de roubo; (7) de comer carne de um animal vivo. Estes Sete Mandamentos, que D’us deu aos filhos de Nôach, i.e., a toda a humanidade, são as leis básicas, com ramificações de longo alcance que abrangem toda a vida da sociedade e do indivíduo, para assegurar que a raça humana será regida por estas leis Divinas de moralidade e ética, e que a sociedade humana será de fato humana, e não uma selva.[*]

[* Para saber mais sobre as Sete Leis, veja
https://noahidebr.com/2015/11/25/mandamentos-divinos-para-todos-os-descendentes-de-noe/ . ]

Certamente os judeus, filhos de Avraham, Yitschac e Yaacov, mais tarde receberam muitos mais mandamentos com obrigações para eles, mas não para o restante da humanidade. No entanto, isso de maneira alguma diminui o fato de que os não-judeus podem e devem buscar realização completa através da observância dos mencionados Sete Mandamentos da Humanidade, com todas as suas ramificações, pois, como são outorgados por D’us, proporcionam o veículo pelo qual se atinge a comunhão com D’us, e assim “caminhar sempre na presença de D’us”.

Eu gostaria de fazer uma observação adicional. Houve uma época em que alguns pensadores acharam que não havia necessidade de conectar as leis da ética e moralidade com a autoridade Divina, visto que estes são princípios racionais. O equívoco deste raciocínio agora é bastante claro. Vimos, em nosso próprio tempo, uma nação inteira que se gabava de grande progresso filosófico e sistemas éticos descer às maiores profundezas da depravação humana e barbarismo sem precedentes. E o motivo para isso foi que eles acreditavam poder estabelecer moralidade e ética baseadas na razão humana, sem se sujeitar à autoridade de uma Existência Suprema, tendo eles próprios se tornado uma super-raça, como pensavam. Certamente não há necessidade de elaborar sobre o óbvio.

A partir das declarações acima, fica claro que nenhum indivíduo pode se contentar com a própria observância dos Mandamentos Divinos, mas é sua responsabilidade com seus amigos, vizinhos e sociedade em geral, envolvê-los na observância dos Mandamentos Divinos na vida e na conduta diárias.

Desejando a você sucesso em seus esforços para atingir a verdadeira realização,

Com bênção,

Assinatura do Rebe

© pt.chabad.org

 

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Definições da expressão Bnei Noach

B”H

 

Atenção: nos termos hebraicos transliterados, o “CH” deve ser pronunciado como “RR” e o “SH” como “CH”.

 

 

DEFININDO, DISTINGUINDO E DISCERNINDO a expressão Bnei Noach

 

Por Noahidebr

 

Bnei Nôach (ou, Benêi/Benê Nôach) é uma expressão hebraica que significa literalmente “Filhos de Noé”.

 

Existem 3 (TRÊS) sentidos para a expressão Bnei Noach:

· Sentido 1: Os filhos literais, biológicos, de Noé: Shem, Cham e Yafet;

· Sentido 2: Todos os descendentes (físicos) de Noé através das gerações, ou seja, todos os humanos, toda a humanidade (sem  exceção alguma) (independentemente de fé);

· Sentido 3: Os filhos/descendentes ESPIRITUAIS de Noé, i.e., aqueles que assumiram sobre si as Sete Categorias de Leis Universais dadas por Hashém (D’us) a Adám e Nôach.

 

E exatamente a fim de fazer uma distinção entre os dois últimos sentidos (o de Bnei Noach, genérico, todos os humanos, do de Bnei Noach, não-judeus devotos de Hashém) é que foi criado o termo inglês Noahites (Noah+ites) (Noé em inglês é Noah), transliterado para o português como noaítas (Noá+itas). Os noaítas são especificamente o último tipo – o terceiro sentido – de Bnei Noach, os não-judeus que seguem os Sete Mandamentos Divinos.

E da criação do nome noaíta veio o seu derivado noaísmo*, que se define como a aceitação e o compromisso em praticar as Sete Categorias de Leis Noaicas (i.e., de Noé) ou Noaíticas (i.e., dos noaítas).

* Ou ainda, Noachdút, em hebraico.

 

Termos utilizados como sinônimos de Bnei Noach (aqueles que aceitam os Sete Mandamentos de Hashém) ou os Noaítas:

Gentios Justos;
Justos entre as nações (o mesmo que, Justos entre os gentios);
Devotos (de Hashém) entre as nações;
Sábios entre as nações;
Piedosos entre as nações.

 

As Sete Categorias de Leis de Hashém para toda a humanidade são:

Praticar a equidade; não blasfemar o nome de D’us; não praticar idolatria, imoralidades, assassinatos; e não tirar e comer o membro de um animal estando ele vivo (Sanhedrín 56).

 

Artigo por Noahidebr
© Noahidebr 2015-2018

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Maimônides e os Noaítas (Bnei Noach)

B”H

 

Maimônides e os Noaítas (Bnei Noach)

 

As Leis dos Reis (em hebraico: Hilchót Melachím) capítulo 8, leis 10 e 11, capítulo 9, lei 1, capítulo 10, leis 9 e 10

 

Por Noahidebr

 

Quando matérias noaíticas citam como referência a obra “Mishnê Torá, As Leis dos Reis” do Rav Moshê Ben Maimon (também conhecido como Rambam ou Maimônides), normalmente, elas ressaltam o capítulo 8, leis 10 e 11, ou o capítulo 9, lei 1, ou o capítulo 10, leis 9 e 10.

A seguir seguem os textos dos três capítulos acima mencionados.

 

Mishnê Torá, As Leis dos Reis:

– capítulo 8, leis 10 e 11:

“10. Moisés somente deu a Torá [com a explicação da observância de todos] os [613] preceitos¹ como uma herança a Israel, como (Deut. 33:4) afirma:

“(A Torá…) por herança da congregação de Jacob”, e a todos aqueles que desejam se converter dentre as outras nações, como (Núm. 15:15) declara: “o convertido será igual a você”.
Entretanto, aquele que não quiser aceitar a Torá [com a explicação da observância de todos] os [613] preceitos¹, não deve ser forçado a fazê-lo.
Igualmente, Moisés foi ordenado pelo Todopoderoso a[, por meio de todo o povo judeu,] compelir todos os habitantes do mundo a aceitar as leis transmitidas aos descendentes de Noé.
[…] Uma pessoa que (formalmente) aceita estas (leis) é chamada de residente estrangeiro. (Isto se aplica) a qualquer lugar. Esta aceitação deve ser feita na presença de três eruditos da Torá.
[…]”

“11. Qualquer pessoa que aceita o cumprimento destes Sete preceitos e é cuidadosa na sua observância, é considerada como um dos devotos [de Hashém] entre os gentios e terá o mérito de compartilhar do Mundo Vindouro.
Isto se aplica somente quando ela os aceita e cumpre, porque o Santíssimo [D’us], abençoado Seja, ordenou-lhes isto na Torá e nos informou através de Moisés, nosso mestre, que mesmo previamente, os descendentes de Noé foram obrigados a cumpri-los.
No entanto, se a pessoa cumpre os preceitos por convicção intelectual [em vez de por terem sido ordenados pelo Todopoderoso], ela não é um residente estrangeiro, nem devota [de Hashém] entre os gentios e nem sábio.”

 

– capítulo 9, lei 1:

“1. Seis preceitos foram ordenados a Adão:

a. (a proibição) de idolatrar falsos deuses;
b. (a proibição) de blasfemar contra D-us;
c. (a proibição) de assassinato;
d. (a proibição) de incesto e adultério;
e. (a proibição) de roubar;
f. (o mandamento de estabelecer) leis e cortes de justiça.
[…]
Para Noé (D-us) acrescentou (a proibição de comer) carne de um animal vivo, como (Gênesis 9:4) declara: “Porém, você não pode comer carne com sua vida, que é o seu sangue,” assim, são Sete Preceitos [iniciais].
Estes assuntos permaneceram iguais através do mundo até Abraão[, … que foi] instruído a respeito da circuncisão, acrescentada a estes preceitos. […] Por fim, veio Moisés e a Torá foi finalizada por ele.”

 

– capítulo 10, leis 9 e 10:

“9. Um gentio que estuda a [explicação da observância de todos os 613 preceitos da] Torá¹ ² é passível [de punição (pelos Céus porque os outros o verão cumprindo mitsvót que não lhe é pertinente e se enganarão pensando que ele é um judeu praticante e se equivocarão indo atrás dele)]. Eles devem se dedicar somente ao estudo de [suas] Sete [Categorias de] Preceitos.
Assim também, um gentio que “descansa” mesmo que seja um dia da semana [ – podendo até mesmo ser o próprio sétimo dia – ], observando aquele dia como um Shabát, é passível [de punição]. Nem é necessário dizer, [ele é passível de punição] se cria um dia de festa [religiosa] para si próprio.
Em geral se adota o seguinte princípio nestes assuntos: Não se deve permitir dar origem a uma nova religião ou criar novos preceitos para si mesmos, baseados nas suas próprias decisões. Eles podem se tornar convertidos justos e aceitar todos os [613] preceitos ou manter suas próprias [sete categorias de] leis sem acrescentar ou diminuir [por suas próprias inferências].
Se um gentio estuda a Torá, faz um Shabát ou cria práticas religiosas, uma corte judia deve […] informá-lo de que é passível [de punição. …]”

“10. Não devemos impedir um gentio [que já aceitou o número literal de sete leis e] que [agora] deseja cumprir [mais alguns] dos [613] preceitos da Torá [porque estes formam as subdivisões das sete leis (a exceção, logicamente – como já foi dito – de estudar a Torá e de observar o Shabát)] a fim de receber uma recompensa [Divina], de realizá-lo, contanto que o faça como é devido.³
[…]”

No Brasil, Editora Maayanot, páginas 104, 105, 107, 108 e 118.

 

Notas:

¹ O Rav Tzvi Freeman explica que “o título Torá” no judaísmo não se refere exclusivamente “aos Cinco Livros de Moisés”, mas “pode se referir também a toda a Torá escrita” que é a Bíblia Judaica (Tanach) e/ou ainda “a Torá Oral, que inclui:

• a compilação de leis e decisões conhecidas como Mishná, juntamente com outras compilações aceitas,

• a discussão e o debate de que material, conhecido como Talmud ou Guemará,

• as histórias e suas lições, que aparecem compiladas no Talmud e obras midráshicas,

• todos os outros ensinamentos que foram aceitos por um consenso de longo prazo da comunidade judaica observante, porque se baseiam firmemente em algum precedente, ou porque foi demonstrado que surgiram por meios aceitos a partir de textos e opiniões anteriores.”

(   https://noahidebr.com/2015/11/20/que-e-tora-no-judaismo-e-no-noaismo/  )

Para mais detalhes sobre o que é a Torá Oral, veja

https://noahidebr.com/2015/09/19/o-que-e-a-tora/

 

² Trata-se não da leitura do Pentateuco (ou do Tanach) mas do “estudo Talmúdico ou Haláchico das matérias que correspondem exclusivamente ao serviço judaico a D’us”. (The Path of the Righteous Gentile, Rav Chaim Clorfene e Rav Yakov Rogalsky.) (  https://noahidebr.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-os-noaitas-nao-devem-observar/  )

Veja também

https://noahidebr.com/2015/09/25/e-permitido-a-um-nao-judeu-estudar-a-tora/

³ Veja também

https://noahidebr.com/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

 

Veja também:

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

Padrão
Uncategorized

As Sete Leis de Noé no Talmud da Babilônia (Sanhedrin 56a)

BEM-VINDO AO SITE DE BNEI NÔACH (FILHOS DE NOÉ)

 Clique (no link) acima

 

Sanhedrin 56a

As Sete Leis de Noé* no Talmud da Babilônia

 

* As Leis Noaíticas ou As Mitsvót (Leis Divinas) Universais

 

 

Sanhedrin 56a

תנו רבנן שבע מצות נצטוו בני נח דינין וברכת השם ע”ז גילוי עריות ושפיכות דמים וגזל ואבר מן החי

 

“Nossos rabinos ensinaram: sete mitsvót (preceitos) foram ordenados aos descendentes de Noé: leis sociais [1]; abster-se de blasfêmia, idolatria; adultério; assassinato; roubo; e comer carne tirada de um animal vivo.”

[1] Isto é, estabelecer tribunais de justiça, ou, talvez, observar a justiça social (Rav Nachmânides em Gên. XXXIV, 13): Hast. Dict. (s.v. preceitos noaicos) traduz ‘obediência à autoridade’.”

 

© wikinoah.org
© 7for70.net


 

Por Rav Adin Steinsaltz (Chabad)

 

Publicado na versão hebraica da Edição Steinsaltz do Talmud:

 

Sanhedrin 56a-b

“Nós normalmente pensamos da Torá como comandando o povo judeu a viver de acordo com suas leis. Quais responsabilidades e obrigações a Torá comanda os não-judeus a realizar?

A “Daf Yomi” (hebraico: דף יומי‎, “página do dia” ou “folha/página diária”) da Guemará cita um Toseftá que ensina as leis dos “shéva mitsvót Bnei Nôach” – sete mandamentos dos Bnei Noach/Filhos de Noé, incluindo:

 

· Diním – o mandamento de estabelecer um sistema jurídico/legal

· Bircát Hashém – uma proibição contra a blasfêmia

· Avodá Zará – uma proibição contra a adoração de ídolos

· Guilúi Araiót – uma proibição contra a depravação sexual

· Shefihát Damím – uma proibição contra o assassinato

· Guézel – uma proibição contra o roubo

· Achilát Ever Min Hachái – uma proibição contra comer de um animal vivo

 

A fonte para esses sete mandamentos é apresentada pelo rabino Yochanan como decorrentes do primeiro mandamento dado por D’us a Adám. No Sêfer Bereshít (Livro de Gênesis 2:16-17) vemos que D’us ordenou a Adám comer livremente de quaisquer das árvores no Jardim do Éden com a exceção da “etz ha-da’at tov va-ra” – árvore do conhecimento do bem e do mal – que foi proibida a ele. Por meio de uma série de interpretações homiléticas, as palavras nestes pesukim (versículos) são compreendidas para se referir às várias ações e comportamentos que são proibidos.

No compêndio midráshico Lekach Tov outra sugestão é levantada sobre a origem das shéva mitsvót Bnei Nôach (sete leis dos Filhos de Noé). Além da interpretação homilética dos versículos no Sêfer Bereshít (Livro de Gênesis), encontramos também uma série de referências específicas no Tanách (bíblia Judaica) para punições dadas aos não-judeus para estes tipos de transgressões. Assim, verificamos que Káyin (Caim) é punido por matar Hével (Abel) (Bereshít capítulo 4), Avimélech (Abimeleque) é punido por tentar se envolver em relações sexuais com Saráh (Bereshít capítulo 20), a geração do dilúvio foi punida por “hamas” – por roubar (Bereshít 6:11) – e verificamos no Sêfer Iyov (Livro de Jó 31:26-28) que a adoração de ídolos era proibida para eles.”

 

© Orthodox Union (www.ou.org)

 

Traduzido do inglês por Noahidebr.

 

O Rav Yosef Kantor (Chabad) também explica sobre as Sete Leis Noaíticas:

“A Torá não as lista como sete [(do mesmo modo que não lista as 613 mitsvót dos judeus como 613)]. O Talmúd (Sanhedrín 56a) aponta sete leis na Torá e compila a lista de sete.”

 

© Noahidebr 2015-2018
https://noahidebr.com/copyright/

 

Veja também:

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

 

https://noahidebr.com/2015/09/08/as-sete-mistvot-que-unem-a-humanidade/

 

 

Padrão