Uncategorized

Noaítas e o vestir-se

B”H

 

Perguntas e Respostas

 

Por Noahidebr

 

P: O homem noaíta (casado ou solteiro) pode andar na rua sem camiseta?

R: Não.

 

P: Dentro de casa, o homem noaíta (casado ou solteiro {que mora com os pais}) pode ficar sem camiseta?

R: Sim. Mas é apropriado que pelo menos nos momentos de oração e de estudo da Torá ele esteja com camiseta.

 

P: O homem noaíta (casado ou solteiro) pode usar shorts ou bermuda em casa ou na rua?

R: O homem noaíta casado ou solteiro pode usar BERMUDA em casa e na rua.

 

P: O homem noaíta (casado ou solteiro) é obrigado a vestir roupa social na rua e principalmente nos encontros noaíticos?

R: Não. O homem noaíta (casado ou solteiro) pode vestir roupa social se ele quiser, mas também pode vestir camiseta ou pólo e calça jeans e tênis na rua e inclusive em encontros noaíticos.

 

P: A mulher noaíta (casada ou solteira) pode usar shorts na rua?

R: Não.

 

P: A mulher noaíta (casada ou solteira) pode usar bermuda na rua?

R: Se for um costume local, sim, a mulher noaíta casada ou solteira pode usar bermuda que não seja colada e que cubra os joelhos (mesmo quando se está sentada) na rua.

 

P: A mulher noaíta (casada ou solteira) pode usar saia ou vestido na rua?

R: A mulher noaíta (casada ou solteira) pode usar saia que cubra os joelhos (mesmo quando se está sentada) na rua.
E a mulher noaíta (casada ou solteira) pode usar vestido que cubra desde a parte de cima do peito até os joelhos (mesmo quando se está sentada) na rua.

 

P: Que tipo de camiseta que a mulher noaíta (casada ou solteira) pode usar na rua?

R: Que cubra completamente o tronco (a parte de cima do peito, ombros, costas e barriga). Portanto, nada de roupas de alcinhas.

 

P: A mulher noaíta (casada ou solteira) pode maquiar-se, depilar-se e cortar o cabelo?

R: Sim.

 

P: A mulher noaíta (casada ou solteira) é obrigada a cobrir o cabelo?

R: Não, a mulher noaíta não é obrigada a cobrir o cabelo.
A mulher noaíta solteira não cobre o cabelo. Quanto à mulher noaíta casada, ela não tem a obrigação de cobrir o cabelo, nem em casa (ao receber quaisquer visitas) e nem na rua (em outras palavras, em qualquer situação que seja – com a exceção de visitar uma sinagoga no horário de um serviço judaico). Ela o cobre apenas se essa foi a sua escolha. (Veja mais em

https://noahidebr.com/2017/12/01/as-noaitas-filhas-de-noach-noe-e-o-cobrir-o-cabelo/   .)

 

Para todos os tipos de situações, o que as mulheres noaítas tanto solteiras quanto casadas (e, obviamente, os homens noaítas solteiros e casados também) tem de levar em consideração, é que serve-se a D’us também pelo comportamento do dia a dia na rua. Elas devem arrumar-se e vestir-se modestamente como convém a quem serve a D’us.

 

Por Noahidebr (baseado em Ask Noah.org, site judaico do Chabad para Bnei Noach)

© Noahidebr 2015-2019

https://noahidebr.com/copyright/

Anúncios
Padrão
Uncategorized

Noaítas e a Estrela de David

B”H

 

Perguntas e Respostas

 

Por Noahidebr e Ask Noah.org

 

Em outra matéria deste site, o Rabi Jacob Immanuel Schochet (Chabad) disse: “Existem linhas claras de distinção entre judeus e gentios e estas devem permanecer exatamente assim.” Tendo esta declaração em mente, eu sou noaíta e por anos tenho usado um colar com a Estrela de David, então, pergunto:

Devo deixar de usá-lo porque as pessoas pensarão que sou judeu/judia? Ou posso usá-lo, conquanto se alguém me perguntar se sou judeu/judia, respondo-lhe que não, que sou noaíta?

 

Se um noaíta decide usar quaisquer objetos com a Estrela de David (em hebraico, “Maguên David”, literalmente “Escudo de David”) (colar, chaveiro (mesmo o chaveiro pendurado em uma mochila, bolsa, estojo, caderno, …)), brincos, pulseira, anel, etc.), não há problema algum nisto. Esta prática não está associada com os mandamentos judaicos. Para você, usar esse colar é apenas uma maneira de demonstrar o seu apoio aos judeus e ao judaísmo, e em caso de questionamento esta pode ser a sua explicação.

 

Por Noahidebr e Ask Noah.org

© Noahidebr 2015-2019
© 2002-2019 Ask Noah.org

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Os noaítas e o talit (tsitsit)

Os noaítas e o talit (tsitsit)

 

B”H

 

Perguntas e Respostas

 

Por Noahidebr

 

O livro “The Path of the Righteous Gentile” (O caminho do Gentio Justo) enumera seis mandamentos divinos judaicos proibidos para o noaíta (veja em

https://noahidebr.com/2015/10/29/mandamentos-judaicos-que-os-noaitas-nao-devem-observar/   ). Não está citado nesta lista o uso de talít por um noaíta. Assim, minhas perguntas são:

 

O noaíta pode usar talít?
Existe talít noaítico (talít para não-judeus, mais especificamente para noaítas (Filhos de Noé/Bnei Nôach))?
O noaíta pode usar algo semelhante a um talít?

 

Primeiro, vejamos o que é um talít.
Leia a explicação em:

 

http://pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/602882/jewish/Talit-e-Tsitsit.htm

 

Como pode-se inferir da leitura deste link, o talit (xale de orações) – talit gadol (grande) e talit catán (pequeno) – com o seu tsitsít (franjas) são observâncias estritamente judaicas. Isso fica mais evidente ainda nas próprias berachót (bênçãos) recitadas pelos judeus:

(ao vestir o talit catán)
“Bendito és…, que… nos ordenou (aos judeus) sobre a mitsvá (lei) de tsitsít”;

(e ao envolver-se no talit gadol)
“Bendito és…, que… nos ordenou (aos judeus) envolver-se em tsitsít.”

 

Portanto, não existe talít noaítico (não existe talít e tsitsít próprios para noaítas). O talit gadól e o talit catán com os seus tsitsiót são materiais exclusivamente judaicos. E daí também os noaítas não devem de maneira alguma vesti-los, e nem se vestirem de algo parecido.

 

O Rabi Jacob Immanuel Schochet, DO CHABAD, diz:

“Os homens noaítas (ou mulheres) não devem comprar seu próprio talit gadol para usar durante suas orações diárias da manhã, ou um talit catán para usar continuamente (quer as franjas – tsitsít – estejam à mostra ou não). O talít é um símbolo exclusivamente judaico. Assim, um noaíta que usa talít [pode acabar levando judeus e não-judeus à confusão, fazendo-os pensar que ele é judeu.]

Os noaítas não devem adquirir e/ou usar [em particular ou publicamente] talít (tsitsít) ou tefilín, ou fazer as outras coisas citadas no livro “The Path of the Righteous Gentile”. Existem linhas claras de distinção(*) entre judeus e gentios e estas devem permanecer exatamente assim. [Veja

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

 

* Obviamente essas “linhas claras de distinção entre judeus e gentios” não são uma invenção dos judeus, elas foram divinamente estabelecidas. Sim, foi O PRÓPRIO Hashém QUEM as definiu (tratam-se das mitsvót chamadas Eidut (ou Edót)), e, portanto, aqueles que ultrapassam estes limites de identidade desrespeita O PRÓPRIO CRIADOR.]

E com todo o devido respeito, este interesse em uma roupa de oração para os noaítas [mesmo que fosse apenas] parecida com um talít com tsitsít (franjas) – quanto mais o próprio talít – pode ser o início de um caminho perigoso para o movimento noaítico. Segue as mesmas linhas da fundação de uma nova forma de religião para os noaítas. É também uma distorção da idéia e do princípio do talít (judaico).

Portanto, deve-se enfatizar que as únicas “ferramentas de aprimoramento” para a oração dos noaítas são a sinceridade e a submissão a D’us.”

 

 

O Rabi Tzvi Freeman, do Chabad.org., explica sobre a ligação entre o noaísmo e o judaísmo (entre os noaítas/Bnei Nôach e os judeus/Bnei Yisrael):

“O caminho dos Filhos de Noé (Bnei Nôach) está integralmente ligado ao povo judeu, mas nós judeus não queremos criar uma nova religião. Tampouco queremos que os Filhos de Noé estejam imitando as práticas que são específicas para o povo judeu.”

 

Por Noahidebr
© Noahidebr 2015-2019

https://noahidebr.com/copyright/

 

© Rabi Jacob Immanuel Schochet (Chabad) – Tradução do inglês por Noahidebr/Bnei Noach Brasil

© 2002-2019 Ask Noah.org

© Rabi Tzvi Freeman (Chabad)

 

Veja também:

https://noahidebr.com/2018/06/12/mandamentos-para-os-judeus-e-mandamentos-para-os-bnei-noach/

 

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

 

https://noahidebr.com/2018/06/14/os-noaitas-e-o-uso-da-kipa/

 

https://noahidebr.com/2016/08/01/maimonides-e-os-bnei-noach/

Padrão
Uncategorized

“Uma palavra” sobre o Rebe

B”H

 

“Uma palavra” sobre o Rebe

 

Por Rabi Simon Jacobson (Chabad)

 

Mesmo sendo um líder judeu (o sétimo do movimento Chabad-Lubavitch), o Rebe (Rabi Menachem Mendel Schneerson, 1902-1994) ensinava – e personificava – uma mensagem nitidamente universal, exortando toda a humanidade a levar vidas produtivas e virtuosas, e conclamando a união entre todos os povos.

O Rebe enfatizava constantemente que todos os pensamentos virtuosos do mundo não produzem um único ato virtuoso, um único gesto de ajuda, um único dólar para a caridade. Uma fusão de pensamento e ação, pregava ele, é vital.

Por mais que os ensinamentos do Rebe contenham uma mensagem universal, deve-se lembrar que ele era primordialmente um líder judaico. Como tal, lançou um esforço sem precedentes para estimular cada judeu a abraçar e aprofundar sua conexão com o judaísmo; suas preleções se referiam especificamente aos meios pelos quais os judeus deveriam cumprir as mitsvót (“obrigações”) que a Torá – palavra que significa “instrução” – (a Torá) inclui não apenas [o Pentateuco, os cinco livros de Moisés, e por extensão todo o Tanách,] a Bíblia [judaica,] como também a compilação dos ensinamentos orais e escritos, sua interpretação e aplicação, transmitidos de mestre para discípulo numa corrente ininterrupta que começa com Moisés – lhes ordena. Mas todos os seus ensinamentos giravam essencialmente em torno de uma premissa: D’us criou o universo com a intenção de que a humanidade o civilizasse e o aperfeiçoasse. E D’us nos legou um plano com o qual realizar este propósito: a Torá – a mesma Torá que Moisés recebeu do Próprio D’us no Monte Sinai, a mesma Torá cujas verdades inabaláveis permeiam a própria formação da humanidade desde sua gênese. Como o Rebe constantemente nos lembrava, obedecer a Torá e suas mitsvót (leis) não é opcional ou arbitrário. Ainda que fiel à tradição e à lei judaicas, o Rebe expunha as verdades universais da Torá a todas as pessoas. O Rebe enfatizava especialmente o dever de manter-se fiel às Shéva Mitsvót Bnei Nôach, Sete Leis dos Filhos de Noé, o código universal de moralidade e ética que foi legado à toda a humanidade no Sinai.
Não importa o quão diferentes possamos ser como seres humanos, não importa o quanto possam diferir nossas formações e destinos individuais, a mensagem da Torá se dirige a todos nós, dizendo que cada um de nós foi criado à imagem de D’us, e que devemos viver de acordo com esta realidade, que devemos viver em harmonia uns com os outros e transformar este mundo, por intermédio da virtude, da caridade e da bondade, em uma casa de D’us. Cada pessoa e cada nação tem um papel peculiar – com suas mitsvót específicas – por intermédio do qual esta missão universal deve ser cumprida.

O Rebe enfatizava que, depois de todos esses anos refinando este universo material, havia chegado a época de tornar D’us uma realidade na vida das pessoas; ele admitia que as pessoas, em todos os lugares, agora estão receptivas a um mundo que será “cheio do conhecimento de Hashém (D’us), assim como as águas cobrem o mar” (Isaías 11:9).

 

Extraído da “Introdução” do livro “Rumo a uma vida significativa: a Sabedoria do Rebe Menachem Mendel Schneerson”, adaptação Rabino Simon Jacobson, Editora Maayanot.

 

Eu creio com plena fé nos Treze Princípios da Torá:

12. Creio com plena fé na vinda de Mashíach. Mesmo que demore, esperarei por sua vinda a cada dia. O Mashíach (o verdadeiro messias) será um indivíduo imerso no estudo da Torá e suas Mitsvót (Mandamentos), como David, seu ancestral. Ele irá seguir meticulosamente a Torá Escrita (Torá Shebichtáv) e a Torá Oral (Torá Shebeál Pê). Ele irá conduzir os judeus de volta ao caminho do judaísmo e fortalecerá a observância da Torá e suas Mitsvót. Ele, e só ele, irá trazer toda a humanidade à observância das Mitsvót Bnei Nôach. Todas as nações retornarão à fé original. “Ki maleá haárets deá et Hashém camáyim laiám mechassim” – “A terra estará repleta do conhecimento de Hashém, assim como as águas cobrem o mar.” (Yeshayáhu/Isaías 11:9)

 

Veja os ensinamentos do Rebe para todos os não-judeus do mundo em

https://noahidebr.com/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

https://noahidebr.com/2016/01/29/o-caminho-espiritual-do-nao-judeu/

https://noahidebr.com/2016/08/05/caminhar-na-presenca-de-dus/

https://noahidebr.com/2015/10/09/o-rebe-e-as-sete-leis-dos-noaitas/

 

E veja outras matérias relacionadas a estes ensinamentos em

https://noahidebr.com/2016/09/01/os-sete-mandamentos-dos-filhos-de-noach-noe/

https://noahidebr.com/2016/08/01/dois-artigos-o-rebe-os-judeus-e-os-noaitas-mais-de-5-000-visualizacoes/

https://noahidebr.com/2015/09/08/as-sete-mistvot-que-unem-a-humanidade/

 

 

© Noahidebr 2015-2019

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Bnei Nôach e as religiões

B”H

 

Bnei Noach* e as religiões

* Na transliteração dos termos hebraicos o “sh” tem som de “CH” (exemplos: “Hashém”, etc.), e, (na transliteração dos termos hebraicos) o “ch” tem som de “RR” (exemplos: “Nôach”, etc.).

 

Bnei Nôach e seu relacionamento com as outras religiões

 

Por Rabi Yitzchak Ginsburgh (https://www.chabad.org/search/keyword_cdo/kid/1070/jewish/Yitzchak-Ginsburgh.htm)

 

Para adotar o caminho espiritual de Bnei Nôach, [o caminho espiritual original,] a pessoa deve no mínimo seguir suas regras. Mas, como tudo na Torá (i.e., os 5 Livros de Moisés: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio), as leis contém sabedoria infinita, e segui-las define apenas o começo de uma trajetória espiritual que pode levar um não-judeu a encontrar níveis mais profundos e crescentes de realização em seu relacionamento com D’us.
Pelo fato das 7 Categorias de Leis dos Filhos de Noé serem parte da Torá, para se tornar um Ben (Filho de) ou uma Bat (Filha de) Nôach (Noé) – aquele(a) que assumi sobre si as chamadas 7 Leis dos Bnei Nôach (Filhos de Noé) dadas por D’us a toda a humanidade – a pessoa precisa primeiro aceitar a verdade da Torá em sua totalidade, inclusive a verdade das tradições orais transmitidas a partir de Moisés ao longo das gerações.
Mais ainda, precisa estar absolutamente claro para todo não-judeu que quer se tornar um gentio justo (um devoto de D’us entre as nações), comprometido com as 7 Leis de Bnei Nôach, que ele não pode se definir como membro de nenhuma outra religião. Um gentio justo é completamente dedicado à autenticidade e veracidade da Torá, de modo que ele possa revelar o D’us de Israel (Hashém) ao mundo inteiro. Isto também significa reconhecer o povo judeu – Bnei Yisrael (Filhos de Israel) – como o povo escolhido de D’us e Sua nação de sacerdotes (Dt. 7:6; 14:2; Êx. 19:6).
A fim de seguir apropriadamente as 7 Leis de Bnei Nôach, aqueles que buscam se identificar como Filhos de Noé devem procurar aprender dos judeus o significado mais profundo de todos estes mandamentos e sua aplicação prática, visto que eles foram transmitidos através dos tempos por meio da tradição oral da Torá. Desta forma, eles poderão servir a D’us como ELE deseja.
Para cumprir apropriadamente suas 7 Leis, os Filhos de Noé devem estudar em detalhes estes mandamentos com um mentor qualificado, uma autoridade em Halachá (leis) – um Rabino Ortodoxo.

O Todopoderoso não aceita a criação de religiões. Isto não quer dizer que diferentes nações e povos não possam ter costumes e rituais próprios, mas estes não devem incluir significados religiosos, e devem ser claramente diferenciados do serviço ao Divino.
No entanto, nos dias de hoje, o mundo está repleto das chamadas práticas religiosas, que incluem várias crenças e rituais que foram estabelecidos como parte de religiões organizadas, tais como o cristianismo e o islamismo. É sobre estas religiões organizadas que várias pessoas têm suas suspeitas, pois elas parecem ser a causa dos maiores derramamentos de sangue e guerras na história da humanidade. Ao invés de trazer paz para a raça humana, elas causaram incomensurável sofrimento e pouco consolo em tempos de aflição.
Bnei Nôach, por definição, renunciam a legitimidade Divina das religiões organizadas e servem somente a D’us da maneira prescrita na Torá. No entanto, como veremos, certos benefícios provêm da consciência religiosa que as religiões organizadas trouxeram a seus seguidores. As partes válidas desta consciência religiosa podem servir como ponto de partida para a aproximação com seus líderes religiosos e a discussão sobre a necessidade de seguir a Vontade de D’us conforme revelada na Torá.
Como pessoas tementes a D’us, todos nós acreditamos que a Providência Divina direciona cada detalhe de nossas vidas. Mesmo quando o indivíduo opta por seguir um determinado curso de ação por seus próprios motivos, é D’us QUEM está direcionando seus passos da forma como ELE julga apropriado. Na maioria dos casos, esta orientação permenece inteiramente oculta para os seres humanos. Nas palavras do Rei David, “Por D’us, os passos do homem são firmes, seus Caminhos ELE aprovará” (Sl. 37:23).
Este princípio é válido para todos os detalhes da vida de cada indivíduo, mas é muito mais proeminente nas vidas daqueles que provaram ter influência crucial sobre a história da humanidade como um todo. Aqui também existe tanto a intenção revelada e consciente do indivíduo, que motiva seus atos, quanto a dimensão oculta, que é revelada somente por D’us, na medida em que ELE extraordinariamente direciona o destino do mundo que ELE criou para revelar Sua glória e infinita bondade.
Maimônides escreve em “Hilchot Melachim” (As Leis dos Reis) capítulo 11 sobre um indivíduo cuja vida mudou o curso da história – Jesus de Nazaré – e que pensava ser o messias. Ele tentou concretizar isto, mas falhou. Ao invés de redimir Israel e o mundo inteiro, seus atos levaram Israel a ser assassinado*, seus remanescentes dispersos e humilhados, a Torá, alterada, e a maioria do mundo enganada a servir a um conceito de deus diferente do D’us Único de Israel.

(* A lista de atrocidades é interminável e inclui libelos de sangue, pogroms, cruzadas, etc. Estes crimes foram perpetrados com o intuito de forçar os judeus a aceitarem e se converterem à “verdadeira” religião.)

Maimônides continua:

“No entanto, não está sob o poder do ser humano compreender a intenção do Criador do mundo, pois (parafraseando Is. 55:8), SEUS caminhos não são nossos caminhos, nem SEUS pensamentos são nossos pensamentos.
(Eventualmente,) todos os atos de Jesus de Nazaré e do ismaelita que surgiu depois dele (i.e., Mohammed) servirão somente para pavimentar o caminho para a vinda do Mashíach – o verdadeiro Messias – e para o aprimoramento do mundo inteiro, (motivando as nações) a servirem a D’us juntas, como está escrito (em Sf. 3:9), ‘Pois, então, EU [Hashém] purificarei a fala dos povos, de modo que eles evocarão O Nome de D’us e O servirão em harmonia’.
Como isto acontecerá? (Como resultado destas religiões,) o mundo inteiro já está familiarizado com o assunto de Messias, bem como com a Torá e seus mandamentos. Estas questões se espalharam entre as várias nações, muitas [até então] insensíveis espiritualmente, e [agora] elas discutem estes assuntos bem como os diversos mandamentos da Torá. [Ainda que] algumas delas (i.e., os cristãos) digam: ‘Estes mandamentos são verdadeiros, mas já não estão em vigor na era atual; eles não são aplicáveis em todas as épocas.’ E outras (i.e., os muçulmanos) digam: ‘Implícitos nos mandamentos estão conceitos ocultos que não podem ser compreendidos de maneira simples; o messias já veio e já os revelou.’ [O fato é que] (o cenário já está pronto, de forma que) quando o verdadeiro Messias surgir e for bem-sucedido, sua (posição for) exaltada e elevada, todos [os povos] retornarão [a Hashém – o D’us de Israel – e à Sua Torá] e compreenderão que seus ancestrais lhes legaram uma herança falsa; que seus profetas e ancestrais lhes fizeram transgredir.”

Vejamos agora a situação do mundo nos dias de hoje. Cerca de 2000 anos se passaram desde que o cristianismo foi inventado. Durante estas gerações, o sofrimento e a dor de milhões de pessoas não diminuiu a despeito dos grandes avanços feitos pela civilização, especialmente nos campos da ciência e tecnologia. A cada dia que passa, a súplica sincera pela salvação de D’us se intensifica, o rogo pela redenção verdadeira e definitiva que será trazida por Mashíach – o verdadeiro Messias. Nas palavras do profeta Daniel: “Quanto tempo mais até o fim destas coisas terríveis!” (12:6).
Pelos sinais dados por profetas e sábios, fica claro que nossa geração é a geração que testemunhará a redenção final. A fim de apressar a vinda do verdadeiro Messias, devemos nos esforçar para viver de acordo com a nova realidade que ele estabelecerá. Embora Maimônides pareça indicar que isto acontecerá apenas depois da revelação do Mashíach, mesmo agora, nos momentos finais que antecedem sua chegada, devemos tentar “viver com o Mashíach”, como se ele já estivesse conosco (pois, de fato, ele já anda entre nós, pronto, mais do que nunca, para se revelar). E assim, chegou o momento das nações do mundo, começando por seu líderes religiosos, entenderem que seus antepassados lhes transmitiram um falso legado.
Os últimos 2000 anos demonstraram o colapso de todas as religiões organizadas que se autoproclamavam portadores da mensagem Divina de paz e união. Ao mesmo tempo, uma Providência Divina claramente singular tem protegido o povo escolhido de D’us, os judeus, um dos povos mais invejados, desprezados e perseguidos que existem sobre a face da terra, em seu longo período de exílio da Terra de Israel. Pessoas esclarecidas ao redor do mundo [perceberam e] compreenderam estes dois pontos.
Agora é o momento da intenção oculta de D’us, que guiou toda a história até os dias de hoje, ser revelada para todos. Somente assim cada indivíduo compreenderá sinceramente a verdade e se preparará para receber o verdadeiro Messias, cuja chegada, para redimir todos nós, é eminente.
É a obrigação sagrada dos judeus, juntamente com Bnei Nôach, conclamar fervorosamente líderes religiosos esclarecidos e inspirados a tomar conhecimento da verdade! Sua conduta será seguida por todos os povos de todas as religiões.
Todos nós ansiamos pela salvação. Todos nós temos total consciência do terrível sofrimento presente no mundo, e todos nós acreditamos que a maior bondade e júbilo que a humanidade está destinada a herdar – a alegria de ficar próximo de D’us, através da aceitação e do compromisso em praticar as 7 Categorias de Leis de Noé, a própria revelação da Vontade do Todopoderoso – virá com a chegada do verdadeiro Messias.
Em nome de D’us e pela bondade que ELE prometeu à humanidade, chegou o momento de todas as nações do mundo e seus líderes religiosos fazerem uma transformação radical, encarar a realidade imparcialmente, abandonar suas antigas crenças e reconhecer a verdade absoluta – que o mundo inteiro acreditará exclusivamente no D’us Único de Israel, nosso PAI ÚNICO no céu, nosso abençoado CRIADOR, e na veracidade de Sua lei, a Torá. Esta é a única verdade absoluta.
Quanto maior a influência do indivíduo em seu ambiente, maior a sua responsabilidade. É dever sagrado de todo líder religioso elucidar e despertar os corações de seus seguidores, fazendo com que abandonem as crenças errôneas que herdaram de seus antepassados e se comprometam a seguir o caminho dos gentios justos, conforme definido pela Torá – observando as 7 Categorias de Leis de Bnei Nôach que D’us ordenou a toda a humanidade –, e com alegria e bondade no coração se prepararem para a eminente chegada do verdadeiro Messias.

 

Por Rabi Yitzchak Ginsburgh

 

© 2007 Gal Einai

Traduzido do inglês por Felipe Zveibil Fisman e Miriam Pomeroy

Edição no Site por Noahidebr © Noahidebr 2015-2019

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Quais são as Mitsvot (Mandamentos) para não-judeus?

B”H

 

Quais são as Mitsvot (Mandamentos) para não-judeus?

 

Por Rabi Yosef Chaim Kantor (Chabad)
AskMoses.com © 2008 (Site vinculado ao Chabad)

 

A resposta curta:

O Judaísmo ensina sobre um Mandato Divino conhecido em inglês como as “Seven Noahide Laws” ou “Seven Noaitic Commandments”, i.e., as Sete Leis Noaíticas, ou, as Sete Leis dos Noaítas/Bnei Noach/Filhos de Noé), que são leis universais de D’us para toda a humanidade, como ensinado a Moisés e registrado na Torá. [1]

 

A Resposta do Askmoses:

Cada criação e, certamente, cada pessoa foi criada por D’us para uma finalidade específica. Aparte da missão pessoal, única, de cada pessoa, existem regras gerais que todas as pessoas devem obedecer a fim de cumprir o objetivo geral de sua criação individual; a saber, criar terrenos férteis (onde a Divindade possa ser revelada) e criar um ambiente estável (onde D’us possa habitar).

Para este propósito, D’us deu para a humanidade sete leis universais; leis básicas que asseguram que o mundo permaneça uma sociedade civilizada e uma sociedade que não nega seu Criador. Por isso é importante que todas estas leis sejam observadas como mandatos Divinos, e não apenas como “idéias éticas”.

Seis destas leis foram ordenadas a Adám e Chavá (Adão e Eva), e a sétima, a proibição de comer um membro que foi tirado de um animal vivo, foi dada a Nôach (Noé) [2] (visto que esta lei era desnecessária desde a Criação até depois do Dilúvio, quando toda a humanidade era vegetariana). [3]

Estas sete leis são chamadas de “Sete Leis de Noé”, pois elas são obrigatórias para todos os descendentes de Noé, o progenitor da humanidade moderna.

O Judaísmo não incentiva não-judeus a se converterem ao Judaísmo, pois acreditamos que um não-judeu que segue suas leis pode levar uma vida espiritual satisfatória. Na verdade, um não-judeu que estuda e observa os Mandamentos Noaíticos é igual ao Sumo Sacerdote que entra no Santo dos Santos no Yom Kipur. [4]

Estas são as Sete Leis:

1. Não adorar ídolos.
2. Não blasfemar.
3. Não assassinar.
4. Não roubar.
5. Não se envolver em comportamento sexual ilícito (adultério, incesto, homossexualidade, etc.).
6. Não comer o membro de uma criatura viva [não ser cruel com os animais].
7. Estabelecer tribunais de justiça para fazer cumprir essas leis.

 

Veja também o tópico
Exceto as Sete Leis de Noé, pode um não-judeu observar Mitsvot?

https://noahidebr.com/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

Askmoses também recomenda os seguintes livros: The Path of the Righteous Gentile do Rabi Chaim Clorfene e Rabi Yakov Rugalsky, e, The Divine Code do Rabi Moshe Weiner.

 


 

Notas

1. A Torá não os lista como sete (do mesmo modo que não lista as 613 mitsvót dos judeus como 613). O Talmúd aponta sete mandamentos na Torá e compila a lista de sete. Veja Talmúd tratado Sanhedrín 56a-56b e Maimônides – Leis dos Reis 9:1-2

2. Maimônides – Leis dos Reis 9:1

3. Veja Gênesis/Bereshít 1:29, 9:3

4. Talmud Bavá Kamá 38a.

 

© AskMoses.com
© 2015-2019 Noahidebr

Traduzido do inglês por Noahidebr/Bnei Noach Brasil © Noahidebr 2015-2019

 

Sobre distribuir nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Exceto as Sete Leis de Noé, pode um não-judeu observar Mitsvot?

B”H

 

Exceto as Sete Leis de Noé, pode um não-judeu observar Mitsvót (Mandamentos Judaicos)?

 

Por Rabi Naftali Silberberg (Chabad)
AskMoses.com © 2008 (Site vinculado ao Chabad)

 

Apesar de que os Noaítas ou Bnei Noach (Filhos de Noé) (isto é, os não-judeus que servem Hashém, O D’us da Torá) são ordenados apenas na observância das Sete Leis Noaíticas, é-lhes permitido observar qualquer um dos 613 mandamentos da Torá (que lhes são aplicáveis – os Mishpatím) (ou seja, há exceções) com o propósito de receber recompensa divina.[*]

Um não-judeu pode observar as leis da cashrut e rezar em uma sinagoga, se é isso o que ele/ela deseja.

Um não-judeu pode fazer a maioria das mitsvot, mas não todas elas. Aquelas mitsvot que constituem um sinal entre D’us e os judeus ([as Edot,] como Tefilin, Mezuzá, Shabat, …) não devem ser observadas por um não-judeu. [Veja

https://noahidebr.com/2018/06/12/mandamentos-para-os-judeus-e-mandamentos-para-os-bnei-noach/

https://noahidebr.com/2018/05/06/nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

https://noahidebr.com/2018/06/14/os-noaitas-e-o-uso-da-kipa/

https://noahidebr.com/2017/11/23/os-noaitas-e-o-talit-tsitsit/ ]

 

Além disso, um não-judeu só deve estudar aquelas partes da Torá que são de relevância universal – ou seja, que afetem a sua observância das Sete Leis Noaíticas. [Veja
https://noahidebr.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-os-noaitas-nao-devem-observar/  ] Isto inclui o estudo de tópicos que aumentem o conhecimento nas áreas de moralidade, teologia e caridade.[**]

 

Leia também o artigo

https://noahidebr.com/2018/04/02/o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

 

© AskMoses.com
© 2015-2019 Noahidebr

Traduzido do inglês por Noahidebr/Bnei Noach Brasil © Noahidebr 2015-2019

 

Sobre distribuir nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

 

 

* Daí que apesar do uso comum, popular, do nome Sete Leis de Noé, o mais adequado é chamá-las de Sete CATEGORIAS de Leis de Noé/Sete Categorias de Leis Noaíticas.

 

**Veja também os tópicos

https://noahidebr.com/2015/11/13/as-trinta-mitsvot-noaiticas-do-rav-shmuel-ben-hofni-gaon/

https://noahidebr.com/2015/11/10/as-trinta-mitsvot-noaiticas-do-rav-menachem-azaria-de-fano/

https://noahidebr.com/2016/02/01/66-ramificacoes-dos-7-mandamentos-noaicos/

https://noahidebr.com/2015/11/25/mandamentos-divinos-para-todos-os-descendentes-de-noe/

e para o esclarecimento de que quando se diz que os Noaítas (Bnei Noach/Filhos de Noé) não devem estudar certas partes da Torá isto significa que, neste caso, a palavra Torá está se referindo ao estudo Talmúdico ou Haláchico das matérias que correspondem exclusivamente ao serviço judaico e não aos Cinco Livros de Moisés ou ao Tanách, veja

https://noahidebr.com/2015/11/20/que-e-tora-no-judaismo-e-no-noaismo/             ]

 

 

Padrão