Uncategorized

Bnei noach e Netilat Iadáyim (o ritual judaico de lavar as mãos)

Bnei noach e Netilat Iadáyim (o ritual judaico de lavar as mãos)

 

Pergunta

Bnei Noach (Noahidas) podem fazer “netilat iadáyim” (o ritual judaico de lavar as mãos)?

O ato de lavar as mãos deve ser feito com benção?

Após acordarem e recitarem o “Mode Aní”, devem Bnei Noach fazer “netilat iadáyim”? Com benção ou sem benção?

 

· Resposta 1

Por The Sanhedrin

Segundo a Lei Judaica, não há requisito para que Bnei Noach façam “netilat iadáyim”. Não há requisito para que Bnei Noach recitem bençãos. Segundo Rambam (Maimônides), Bnei Noach podem cumprir voluntariamente qualquer uma das 613 mitsvot (mandamentos judaicos) à exceção daquelas que constituem um sinal entre D’us e os judeus [(veja em
https://noahidebr.wordpress.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-o-noahide-nao-deve-observar/ )].

Aqui está uma lista maior das Leis dos Noahidas derivadas das Sete Leis

https://noahidebr.wordpress.com/2016/02/01/66-ramificacoes-dos-7-mandamentos-noahicos/

O Rav Yoel Schwartz (chefe da Bet Din para Bnei Noach) tem dito que não é necessário que Bnei Noach recitem uma benção antes de lavar as mãos. Mas se Bnei Noach quiserem voluntariamente recitar uma benção, o Rav Yoel Schwartz recomenda:

“Baruch Atá Hashem, Elohênu Melech haolám, al netilat iadáyim.” 

“Bendito és TU, Hashem, nosso D’us, Rei do universo, por causa da lavagem das mãos.”

© The Sanhedrin.net

Traduzido do espanhol por Noahidebr.

 

© Noahidebr 2015-2017

https://noahidebr.com/copyright/

 

· Resposta 2

Por Rav Yoel Schwartz

O Rav Yoel Schwartz na sua explicação sobre “Benção antes ou depois da refeição”, diz:

“É importante que após a principal refeição do dia (se ao meio-dia ou à noite) um Noahida lave as suas mãos se ele as sujou durante a refeição ([pois, para] antes da refeição não há nenhuma ordem para o Noahida lavar as mãos em um ritual como fazem os judeus. Esta é uma prática especificamente judaica. No entanto, é necessário lavá-las para fins sanitários).”

© Rav Yoel Schwartz 2004

Traduzido do inglês por Noahidebr.

 

© Noahidebr 2015-2017

https://noahidebr.com/copyright/

 

· Resposta 3

Por Rav Yitzchak Ginsburgh

No livro Cabalá e Meditação para as Nações (Gal Einai, página 145), o Rav Yitzchak Ginsburgh explica:

“Existem vários rituais judaicos que podem ser adotados pelos não-judeus, depois de estes [não-judeus] se consultarem com uma autoridade haláchica ortodoxa [(i.e., uma autoridade na área da lei da Torá)] que concorde em servir como mentor legal e espiritual para este propósito. Por exemplo, alguns Bnei Noach adotaram o ritual judaico de lavar as mãos (netilat yadaim) antes de comer pão. Afinal, limpeza e cuidados com o corpo e com as vestimentas são importantes no serviço a D’us. Limpeza física leva à pureza espiritual, como ensinaram nossos sábios (Shulchan Aruch do Alter Rebe, Orach Chayim 2:8. Ver também Avodá Zará 20b e Shekalim 9b).”

© Gal Einai.

 

© Noahidebr 2015-2017

https://noahidebr.com/copyright/

Anúncios
Padrão
Uncategorized

Entrevista com Mashiach

entrevistando mashiach - chabad.org.br

 

Nosso “fã clube” detectou e todos foram unânimes em afirmar: “Queremos Mashiach!”

Medimos pelas dezenas de e-mails recebidos que a maioria quer obter detalhes sobre ele, possuem muitas dúvidas e desejam saber: o que está prestes a acontecer?!

Devido à insistência e estando sempre antenados, a fim de atender nosso fiel público, conseguimos agendar!

http://www.chabad.org.br tem o prazer e satisfação de anunciar, a seu pedido, uma entrevista exclusiva.

Com vocês: Mashiach!

 

www: Estamos imensamente felizes por ter-nos concedido esta entrevista tão aclamada por todo o mundo. Agradecemos por ter atendido ao nosso convite, em nome de todos seus fãs.

Mashiach: Não é necessário me agradecer. Apesar de ter uma infinidade de compromissos em minha agenda, estava há muito aguardando este momento.

www: Mashiach, o senhor julga-se um ser humano normal, de carne e osso, mortal como nós, ou um super herói?

Mashiach: Nada de super. Supremo somente Hashem, nosso Criador. Sou um sujeito simples, de carne e osso como podem todos ver (vocês estão com a câmara digital? Nem precisa! Dispenso fotos e publicidade) e filho de pais humanos normais. Meu nome, Mashiach, em hebraico significa “O ungido”.

www: Qual é a sua origem e seu background?

Mashiach: Sou descendente do Rei David, da tribo de Yehudá, a quem D’us prometeu que dele virá o Mashiach. Sou comprometido integralmente com a Torá. Posso afirmar que conheço profundamente cada assunto e ensinarei com eficiência e clareza a todos quando chegar o momento. Acreditar em minha vinda faz parte dos Treze Princípios de Fé, de Maimônides.

www: Como todo líder, você deve ter vários projetos. Quais são as principais linhas de seu plano de trabalho?

Mashiach: Fui incumbido de liderar nosso povo para a Terra de Israel e trazer a paz universal a todos. Para atingir um mundo melhor, vou colocar em prática o projeto 3R, composto por três fases: Retorno, Reunião e Reconstrução, em hebraico respectivamente, Teshuvá, Kibuts Galuyot, e Bet Hamicdash. Na primeira, todo o povo de Israel retornará ao judaísmo; na segunda, todos serão reunidos na Terra de Israel e na terceira reconstruirei o Bet Hamicdash – o Terceiro Templo Sagrado em Jerusalém.

www: O que vem a ser a fase de Retorno? O que irá ocorrer com todos os judeus que estão afastados e que mal sabem que são judeus?

Mashiach: Realmente, o povo de Israel está numa situação difícil. A assimilação está engolindo muitos de nós. O que nos consola é que esta situação estava prevista na Torá, e seguindo esta profecia, consta a promessa de que Mashiach estará prestes a chegar. Cada um de nós tem um pontinho de luz dentro dele. Muitos pontinhos estão perdidos por aí. Porém, de um momento para o outro é capaz de acender-se e voltar a brilhar. O grande movimento de teshuvá nos dias de hoje confirma esta profecia. Pessoas que estavam tão longe de qualquer contato com o judaísmo estão retornando às suas origens. E isto indica apenas o começo.

www: E a ida para Israel? Existem judeus espalhados pelos quatro cantos do mundo – do Brasil ao Marrocos. Como é que o senhor vai fazer para transportar tanta gente?

Mashiach: No livro de Daniel está escrito que o povo irá a Israel transportado pelas nuvens do céu. Na linguagem moderna, isto significa que iremos da maneira mais natural possível: de avião!

www: O que acontecerá a quem não é judeu na era Messiânica?

Mashiach: Eu me revelarei para a humanidade, e não apenas para nosso povo. Minha chegada deve significar a resposta de “Por que estamos aqui?” Não apenas redimirei o povo judeu do exílio mas todo ser humano de uma existência sem significado para uma vida realmente significativa: este é o verdadeiro plano Divino para a era Messiânica.

www: E o Bet Hamicdash? Já existe uma planta?

Mashiach: A planta foi desenhada pelo melhor arquiteto: D’us. É só abrir a Torá que você poderá encontrar todas as medidas e detalhes do Templo Sagrado. Seu esplendor ultrapassa toda e qualquer outra obra já realizada pelo homem.

www: Desculpe a chutspá, ousadia, mas muitos questionam: Messias não é apenas um eufemismo para uma paz utópica na Terra?

Mashiach: Não é apenas uma idéia esperançosa ou uma fantasia, mas uma promessa Divina sempre repetida, de que uma pessoa e eventos específicos mudarão o mundo para sempre.

www: Nosso mundo mudará drasticamente?

Mashiach: A princípio, o mundo seguirá seu curso natural, mais tarde elevando-se a um estado sobrenatural, incluindo a Ressurreição dos Mortos.

www: Qual a importância de Mashiach para o Judaísmo?

Mashiach: Toda. É um dos Treze Princípios Fundamentais do Judaísmo. “Acredito na vinda de Mashiach todo dia, e mesmo que ele tarde, esperarei por ele.” As pessoas tentam mudar a si ou sua vida. Qual a razão? Porque elas querem um mundo melhor, você não? Se soubéssemos que não existe nada que fossemos capazes de fazer para acabar com a maldade neste mundo, certamente não conseguiríamos acordar pela manhã. Mas há algo que nos impulsiona e faz vibrar. Esta vontade e força é a fé em Mashiach; a crença de que o mundo será melhor algum dia.

www: De que forma você irá convencer a humanidade de que o mundo mudou com sua chegada?

Mashiach: Cresci e sou uma pessoa completamente íntegra e um exemplo vivo da Torá. Uma de minhas missões é inspirar cada um a retornar a D’us. Usarei todo meu carisma e poder de liderança. Liderarei através de meu exemplo. Possuo uma alma coletiva, geral, que me permite interagir com todos em todos os níveis, com ajuda de D’us. E não será preciso convencer ninguém de nada: todos verão com seus próprios olhos.

www: O “Messias” não é uma idéia também cristã?

Mashiach: Mashiach origina-se na Torá judaica e nos Profetas. O conceito foi mais tarde emprestado e alterado por outros.

www: Qual a meta que você deseja atingir?

Mashiach: Quando alguém descobre a verdade, não quer saber de outra coisa senão aprofundar-se nela. Quando o projeto 3R estiver cumprido, as pessoas perceberão e verão que D’us é a verdade, e como é bom seguir seus caminhos. Todos se ocuparão no estudo da Torá e na aproximação com D’us. Quando me revelar, o mundo atingirá um estado de perfeição. Não haverá mais guerra, perseguições, racismo e o mundo inteiro viverá em paz e harmonia com saúde e prosperidade. Como consequência disto haverá fartura no mundo. Siga minha lógica: se há fartura, não existe inveja; se não existe inveja, não há discordância; sem discordância, não existe guerra nem competição. Enfim, haverá paz e bondade. Desta forma, as pessoas e o mundo vão elevar-se cada vez mais. As pessoas continuarão a ter livre arbítrio, mas elas irão escolher entre o Bom e o Melhor, ao invés do Bem e do Mal.

www: Vamos lhe perguntar o que todos querem saber: porque é que você não vem logo? Mashiach, até quando?!

Mashiach: Eu também não vejo a hora de chegar. Mas isto já não depende de mim; depende somente das ações de cada um de vocês e da avaliação do Juiz do mundo, D’us. Um pequeno ou mesmo único ato é capaz de mover o mundo. Quando Ele decidir que é chegada a hora, eu estarei aqui definitivamente entre vocês. Fiquem felizes por fazerem parte desta geração! Minha vinda está prevista, no máximo, entre o final do sexto e o início do sétimo milênio. Aliás este é o prazo máximo! Vocês estão vivendo no final do sexto milênio e, com suas ações positivas, as chances de poder me revelar já, são enormes!

www: Você poderia nos fornecer seu nome, endereço, RG? Ou pelo menos cidade ou país de origem? Ao menos uma dica?

Mashiach: Não importa quem eu seja. O mais importante é vocês me ajudarem a apressar os poucos momentos que nos separam entre esta entrevista e a minha chegada ao vivo, off-line. Até lá, agradeço e conto com o apoio e ação de todos. Agradeço a oportunidade de me expressar através deste site que divulga o judaísmo a todos que tem sede. Espero poder dar a próxima entrevista no Terceiro Templo Sagrado, que seja em breve, se D’us quiser!

 

© chabad.org.br

Padrão
Uncategorized

Caminhar na Presença de D’us

Caminhar na Presença de D’us

 

Nôach (Noé) não era cristão/messiânico e nem era muçulmano. Em seu tempo não existia o cristianismo (nem a sua vertente hebraísta, os messiânicos) e nem existia o islamismo. Nôach não acreditava em Jesus/Yeshua/Yahushua e nem acreditava em Muhammad (Maomé). Ainda assim, está registrado que “Nôach andava com D’us.” (Bereshit/Gênesis 6:9) Como isso era possível? De que maneira um não-judeu anda com D’us*?

* Sabemos que O Próprio D’us escolheu o Povo Judeu como o Seu Povo e lhes deu o Judaísmo. Mas Nôach também não era judeu, pois ainda não havia surgido o Povo Judeu.

 

UM NÃO-JUDEU CAMINHANDO NA PRESENÇA DE D’US

 

Por Rav Menachem Mendel Schneerson
(O Rebe)

 

Estou certo de que você conhece os assim chamados Sete Mandamentos dados por D’us a Nôach e seus filhos.

Estes são: (1) O estabelecimento de cortes de justiça; (2) a proibição de blasfêmia; (3) de idolatria; (4) de incesto; (5) de derramamento de sangue; (6) de roubo; (7) de comer carne de um animal vivo. Estes Sete Mandamentos, que D’us deu aos filhos de Nôach, i.e., a toda a humanidade, são as leis básicas, com ramificações de longo alcance que abrangem toda a vida da sociedade e do indivíduo, para assegurar que a raça humana será regida por estas leis Divinas de moralidade e ética, e que a sociedade humana será de fato humana, e não uma selva.[*]

[* Para saber mais sobre as Sete Leis, veja
https://noahidebr.com/2015/11/25/mandamentos-divinos-para-todos-os-descendentes-de-noe/ . ]

Certamente os judeus, filhos de Avraham, Yitschac e Yaacov, mais tarde receberam muitos mais mandamentos com obrigações para eles, mas não para o restante da humanidade. No entanto, isso de maneira alguma diminui o fato de que os não-judeus podem e devem buscar realização completa através da observância dos mencionados Sete Mandamentos da Humanidade, com todas as suas ramificações, pois, como são outorgados por D’us, proporcionam o veículo pelo qual se atinge a comunhão com D’us, e assim “caminhar sempre na presença de D’us”.

Eu gostaria de fazer uma observação adicional. Houve uma época em que alguns pensadores acharam que não havia necessidade de conectar as leis da ética e moralidade com a autoridade Divina, visto que estes são princípios racionais. O equívoco deste raciocínio agora é bastante claro. Vimos, em nosso próprio tempo, uma nação inteira que se gabava de grande progresso filosófico e sistemas éticos descer às maiores profundezas da depravação humana e barbarismo sem precedentes. E o motivo para isso foi que eles acreditavam poder estabelecer moralidade e ética baseadas na razão humana, sem se sujeitar à autoridade de uma Existência Suprema, tendo eles próprios se tornado uma super-raça, como pensavam. Certamente não há necessidade de elaborar sobre o óbvio.

A partir das declarações acima, fica claro que nenhum indivíduo pode se contentar com a própria observância dos Mandamentos Divinos, mas é sua responsabilidade com seus amigos, vizinhos e sociedade em geral, envolvê-los na observância dos Mandamentos Divinos na vida e na conduta diárias.

Desejando a você sucesso em seus esforços para atingir a verdadeira realização,

Com bênção,

Assinatura do Rebe

© pt.chabad.org

 

© Noahidebr 2015-2017

 

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Definições da expressão Bnei Noach

DEFININDO, DISTINGUINDO E DISCERNINDO a expressão Bnei Noach

Por Noahidebr

Bnei Noach é uma expressão hebraica que significa literalmente “Filhos de Noé”.

Existem 3 (TRÊS) sentidos para a expressão Bnei Noach:

· Sentido 1: Os filhos literais, biológicos, de Noé: Shem, Cham e Yafet;

· Sentido 2: Todos os descendentes (físicos) de Noé através das gerações, ou seja, todos os humanos, toda a humanidade (sem  exceção alguma) (independentemente de fé);

· Sentido 3: Os filhos/descendentes ESPIRITUAIS de Noé, i.e., aqueles que assumiram sobre si as Sete Categorias de Leis Universais dadas por Hashém (D’us) a Adám e Nôach.

E exatamente a fim de fazer uma distinção entre os dois últimos sentidos (o de Bnei Noach, todos os humanos, do de Bnei Noach, não-judeus devotos de Hashém) é que foi criado o termo inglês Noahides, transliterado para o espanhol como noájidas, e para o português como noaítas. Os noaítas são especificamente o último tipo – o terceiro sentido – de Bnei Noach, os não-judeus que seguem os Sete Mandamentos Divinos.

E da criação do nome noaíta veio o seu derivado noaísmo*, que se define como a aceitação e o compromisso em praticar as Sete Categorias de Leis Noaicas.

* Ou ainda, Noachdut, em hebraico.

Termos utilizados como sinônimos de Bnei Noach (aqueles que aceitam os Sete Mandamentos de Hashem) ou os Noaítas:

Gentios Justos;
Justos entre as nações (o mesmo que, Justos entre os gentios);
Devotos (de Hashém) entre as nações;
Sábios entre as nações;
Piedosos entre as nações.

 

Artigo por Noahidebr
© Noahidebr 2015-2017

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

(Dois Artigos) O Rebe, os judeus e os noahidas | Mais de 5.000 visualizações

(Dois Artigos) O Rebe, os judeus e os noahidas | Mais de 5.000 visualizações

Este link contém Dois Artigos.

 

(1° Artigo)

MAIS DE 5.000 VISUALIZAÇÕES

 

Em 1° de setembro de 2015, foi lançado o Site Noahide br, com a sua primeira publicação, o Sêfer Tehilim, Livro dos Salmos.
Em 17 de julho de 2016, antes ainda de completar um ano de existência, o Site Noahide br alcança mais de 5.000 visualizações. Estas visualizações ocorrem principalmente no Brasil, naturalmente, mas também são oriundas de países tais como Estados Unidos, Portugal, Israel, Alemanha, Japão, entre outros.
Assim, nós, os criadores/publicadores do Site Noahide br, reverenciamos e louvamos Hashem por nos permitir a realização deste trabalho, usando-nos como instrumentos para tal, Baruch Hashem.

Também aproveitamos para expressar os nossos agradecimentos a:

– o Povo de D’us (o Povo Judeu), a começar pelo – em especial ao – Rebe (Rav Menachem Mendel Schneerson) que, pensando em todos nós não-judeus, sim, preocupado com todos nós, a humanidade, lançou a Campanha de Conscientização Judaica do Caminho Espiritual Original Da Humanidade: O Caminho Noaico (relativo ou pertencente aos Bnei Noach ou ao Noaísmo), levando então os judeus a se conscientizarem do seu propósito no mundo, o de professores/educadores da Espiritualidade para toda a humanidade – ensinar para todos os povos as suas próprias Mitsvot (Leis) dadas igualmente por O PRÓPRIO HASHEM (D’US). A partir daí, inúmeras autoridades judaicas têm aprendido sobre e ensinado tanto a seus correligionários quanto aos não-judeus a Fé Primordial da Humanidade: As Sete Categorias de Leis dos Filhos de Noé (Sheva Mitsvot Bnei Noach).
Observação: é verdade que antes do Rebe alguns judeus ensinaram As Sete Categorias de Leis dos Filhos de Noach para alguém, mas esses foram casos excepcionais e isolados.
(Veja o 2° artigo mais abaixo
O REBE, OS JUDEUS E OS NOAHIDAS )

– todos os nossos leitores/acompanhantes.

O objetivo do Site Noahide br:

Existem muitíssimas informações (de fontes totalmente confiáveis) destinadas aos Bnei Noach nas línguas inglesa e espanhola, porém, pouquíssimas na língua portuguesa. Portanto, foi com este objetivo que este Site foi criado, trazer essas informações para o público de língua portuguesa.
Que Hashem nos abençoe para que possamos estar sempre cada vez mais trazendo muito mais materiais noaicos (como já dito, de fontes totalmente confiáveis) para a língua portuguesa.

Dedicatória:

Dedicamos a existência do Site Noahide br a uma pessoa a quem temos profundos carinho, respeito, admiração e gratidão, o Senhor Rav Yacov Gerenstadt.
O Senhor Rav Yacov Gerenstadt há cerca de quatro anos se dedica ao trabalho de divulgação do Caminho Espiritual Noaico ao povo brasileiro (a todas as pessoas, sem nenhuma exceção, sem discriminação).
Aqui, foto do Primeiro Encontro Bnei Noach Brasil da Cidade de São Paulo realizado pelo Senhor Rav Yacov Gerenstadt em 19 de agosto de 2012. (Nós, do Site Noahide br estávamos presente.)

1o. Encontro Bnei Noach Brasil Rav Yacov

© Noahidebr 2015-2017

__________________________________

 

(2° Artigo)

O REBE, OS JUDEUS E OS NOAÍTAS (Bnei Noach)

Por Rav Moshe Feller

Liderando o movimento Lubavitch, o Rebe criou a maior e mais dinâmica rede educacional judaica mundial do judaísmo. Existem cerca de 4.000 filiais Lubavitch em todo o mundo.

Eu quero focar aqui em um aspecto particular da liderança do Rebe. Enquanto o século 20 assistiu a uma série de gigantes espirituais que trabalharam para melhorar a espiritualidade do povo judeu, o Rebe foi incomparável porque ele também trabalhou diretamente para aumentar a espiritualidade dos não-judeus.

Pode estar certo de que os judeus não fazem proselitismo. O Rebe não estava lá para convencer os não-judeus a se tornarem judeus. Os esforços do Rebe se concentraram nos não-judeus serem espirituais através do cumprimento das Sete Categorias de Leis Noaicas (que O Todopoderoso ordenou).

Depois do Dilúvio, D’us fez um pacto com Noach e sua família constituído de Sete Categorias de Leis que toda a humanidade deve observar:

1) devotar somente a D’us;
2) não blasfemar contra D’us;
3) não assassinar;
4) não cometer crimes sexuais;
5) não roubar;
6) não ser cruel com os animais (especificamente não consumir o membro de um animal antes de tomar a sua vida);
7) buscar a justiça como uma sociedade (o oposto de anarquia).

D’us comunicou a Moshe Rabênu que ELE tinha feito este pacto com Noach e encarregou Moshe de informar o povo judeu que eles têm a obrigação de influenciar a humanidade para observar essas leis (ver Rambam, Mishnê Torá, As Leis dos Reis, capítulo 8, leis 10 e 11).
( Veja em
https://noahidebr.com/2016/08/01/maimonides-e-os-noahidas-bnei-noach/ )

Por todo o nosso longo exílio, este ensinamento da nossa responsabilidade de divulgar essas leis a toda a humanidade foi, por uma variedade de razões, negligenciado.

Os grandes líderes da Torá não impeliram seus seguidores a se concentrarem na obrigação de disseminar as sete categorias de leis noaicas à humanidade. Mas não é assim com o Rebe. Ele dinamicamente encarregou os judeus de levar a cabo a sua obrigação da Torá e disseminar estas sete categorias de leis noaicas a não-judeus.

A Torá cobra dos judeus que eles mesmos sejam conscientes de D’us e que influenciem os não-judeus a serem conscientes de D’us. A consciência de D’us é a base destas sete categorias de leis, ao mesmo tempo que é a base de toda a Torá.

Nós podemos divulgar a nossa consciência de D’us de um modo muito simples. Quando alguém lhe perguntar como você está, responda acrescentando “Graças a D’us”. Ao marcar um encontro, diga “se D’us quiser, lhe verei amanhã.”

Deixe seus amigos não-judeus observarem a sua consciência de D’us. Seja um exemplo e um modelo de consciência de D’us.

Por isso, quando eu entro em um táxi, pergunto ao motorista: “Você já agradeceu a D’us hoje?”, e isso invariavelmente inicia uma conversa de consciência de D’us.

Uma vez eu peguei um táxi no aeroporto de La Guardia. Perguntei ao taxista haitiano negro: “Você já agradeceu a D’us hoje?” Eu quase caí para fora do táxi quando ele virou a cabeça para mim e, sorrindo, respondeu em hebraico: “Barechú Hashém iom iom” (“Graças a Hashem (D’us) dia a dia”).

Alegremente eu perguntei: “Onde você aprendeu essa frase?”

Ele me disse que antes de começar a trabalhar como taxista, ele tinha trabalhado seis anos para um vendedor chassídico no Lower East Side de Manhattan. Todas as manhãs ele estava ao lado do vendedor quando o vendedor abria a porta. Quando o vendedor via que tudo estava bem, ele dizia essas palavras: “Barechú Hashém iom iom.”

“Depois de um tempo”, continuou o taxista, “eu perguntei: ‘O que significam essas palavras?’ E ele me disse que significam ‘Graças a D’us dia a dia’ – e eu tenho agradecido a D’us dia a dia desde então. Quando você me perguntou se eu agradeci a D’us hoje, imaginei que você iria gostar de ouvir a minha resposta em hebraico.”

Por agradecer a D’us explicitamente na presença de seu empregado não-judeu, o vendedor influenciou um humano não-judeu a agradecer a D’us dia a dia – precisamente o objetivo da campanha de consciência de D’us do Rebe para toda a humanidade.

Eu abri o Senado dos Estados Unidos em Washington com as sete leis noaicas. Recitei essas leis a um grande grupo de pessoas do clero no Ground Zero após o 11 de setembro. Mas nunca obtive uma resposta como a que obtive daquele taxista haitiano.

Disseminar as “Sheva Mitsvot Bnei Noach” – as Sete Leis dos Descendentes de Noé – para toda a humanidade é a nossa obrigação, que foi reinstaurada e reiterada só agora na nossa geração pelo Rebe.

 

Veja também
https://noahidebr.com/2015/09/25/e-permitido-a-um-nao-judeu-estudar-a-tora/

 

© jewishpress.com

 

Traduzido do inglês por Noahidebr.

© Noahidebr 2015-2017

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão
Uncategorized

Maimônides e os Noaítas (Bnei Noach)

Maimônides e os Noaítas (Bnei Noach)

As Leis dos Reis (em hebraico: Hilchot Melachim) capítulo 8, leis 10 e 11, capítulo 9, lei 1, capítulo 10, leis 9 e 10

Por Noahide br

Quando matérias noaicas citam como referência a obra “Mishnê Torá, As Leis dos Reis” do Rav Moshê Ben Maimon (também conhecido como Rambam ou Maimônides), normalmente, elas ressaltam o capítulo 8, leis 10 e 11, ou o capítulo 9, lei 1, ou o capítulo 10, leis 9 e 10.

A seguir seguem os textos dos três capítulos acima mencionados.

Mishnê Torá, As Leis dos Reis:

– capítulo 8, leis 10 e 11:

“10. Moisés somente deu a Torá [com a explicação da observância de todos] os [613] preceitos¹ como uma herança a Israel, como (Deut. 33:4) afirma:

“(A Torá…) por herança da congregação de Jacob”, e a todos aqueles que desejam se converter dentre as outras nações, como (Núm. 15:15) declara: “o convertido será igual a você”.
Entretanto, aquele que não quiser aceitar a Torá [com a explicação da observância de todos] os [613] preceitos¹, não deve ser forçado a fazê-lo.
Igualmente, Moisés foi ordenado pelo Todopoderoso a[, por meio de todo o povo judeu,] compelir todos os habitantes do mundo a aceitar as leis transmitidas aos descendentes de Noé.
[…] Uma pessoa que (formalmente) aceita estas (leis) é chamada de residente estrangeiro. (Isto se aplica) a qualquer lugar. Esta aceitação deve ser feita na presença de três eruditos da Torá.
[…]”

“11. Qualquer pessoa que aceita o cumprimento destes Sete preceitos e é cuidadosa na sua observância, é considerada como um dos devotos [de Hashem] entre os gentios e terá o mérito de compartilhar do Mundo Vindouro.
Isto se aplica somente quando ela os aceita e cumpre, porque o Santíssimo [D’us], abençoado Seja, ordenou-lhes isto na Torá e nos informou através de Moisés, nosso mestre, que mesmo previamente, os descendentes de Noé foram obrigados a cumpri-los.
No entanto, se a pessoa cumpre os preceitos por convicção intelectual [em vez de por terem sido ordenados pelo Todopoderoso], ela não é um residente estrangeiro, nem devota [de Hashem] entre os gentios e nem sábio.”

– capítulo 9, lei 1:

“1. Seis preceitos foram ordenados a Adão:

a. (a proibição) de idolatrar falsos deuses;
b. (a proibição) de blasfemar contra D-us;
c. (a proibição) de assassinato;
d. (a proibição) de incesto e adultério;
e. (a proibição) de roubar;
f. (o mandamento de estabelecer) leis e cortes de justiça.
[…]
Para Noé (D-us) acrescentou (a proibição de comer) carne de um animal vivo, como (Gênesis 9:4) declara: “Porém, você não pode comer carne com sua vida, que é o seu sangue,” assim, são Sete Preceitos [iniciais].
Estes assuntos permaneceram iguais através do mundo até Abraão[, … que foi] instruído a respeito da circuncisão, acrescentada a estes preceitos. […] Por fim, veio Moisés e a Torá foi finalizada por ele.”

– capítulo 10, leis 9 e 10:

“9. Um gentio que estuda a [explicação da observância de todos os 613 preceitos da] Torá¹ ² é passível [de punição]. Eles devem se dedicar somente ao estudo de [suas] Sete [Categorias de] Preceitos.
Assim também, um gentio que descansa mesmo que seja um dia da semana, guardando aquele dia [de maneira totalmente igual a] como [os judeus guardam o] Shabat, é passível [de punição]. Nem é necessário dizer, [ele é passível de punição] se cria um dia de festa [religiosa] para si próprio.
Em geral se adota o seguinte princípio nestes assuntos: Não se deve permitir dar origem a uma nova religião ou criar novos preceitos para si mesmos, baseados nas suas próprias decisões. Eles podem se tornar convertidos justos e aceitar todos os [613] preceitos ou manter suas próprias [categorias de] leis sem acrescentar ou diminuir [por suas próprias inferências].
Se (um gentio) estuda a Torá, celebra o Shabat ou cria práticas (religiosas), uma corte judia deve […] informá-lo de que é passível [de punição. …]”

“10. Não devemos impedir um gentio que deseja cumprir um dos [613] preceitos da Torá a fim de receber uma recompensa [Divina], de realizá-lo, contanto que o faça como é devido.³
[…]”

– © Editora Maayanot, páginas 104, 105, 107, 108 e 118.

Notas:

¹ O Rav Tzvi Freeman explica que “o título Torá” no judaísmo não se refere exclusivamente “aos Cinco Livros de Moisés”, mas “pode se referir também a toda a Torá escrita” que é a Bíblia Judaica (Tanach) e/ou ainda “a Torá Oral, que inclui:

• a compilação de leis e decisões conhecidas como Mishná, juntamente com outras compilações aceitas,

• a discussão e o debate de que material, conhecido como Talmud ou Guemará,

• as histórias e suas lições, que aparecem compiladas no Talmud e obras midráshicas,

• todos os outros ensinamentos que foram aceitos por um consenso de longo prazo da comunidade judaica observante, porque se baseiam firmemente em algum precedente, ou porque foi demonstrado que surgiram por meios aceitos a partir de textos e opiniões anteriores.”

( https://noahidebr.com/2015/11/20/que-e-tora-no-judaismo-e-no-noachismo/ )

Para mais detalhes sobre o que é a Torá Oral, veja

https://noahidebr.com/2015/09/19/o-que-e-a-tora/

² Trata-se não da leitura do Pentateuco (ou do Tanach) mas do “estudo Talmúdico ou Haláchico das matérias que correspondem exclusivamente ao serviço judaico a D’us”. (The Path of the Righteous Gentile, Rav Chaim Clorfene e Rav Yakov Rogalsky.) (

https://noahidebr.com/2015/10/29/6-mandamentos-judaicos-que-o-noahide-nao-deve-observar/ )

Veja também

https://noahidebr.com/2015/09/25/e-permitido-a-um-nao-judeu-estudar-a-tora/

³ Veja também

https://noahidebr.com/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

Artigo por Noahidebr

 

© 2015-2017 Noahidebr

Sobre distribuir os nossos artigos, veja

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão